???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16850
Tipo do documento: Dissertação
Título: Instruções como parte de práticas educacionais: um exemplo numa escola de educação infantil
Título(s) alternativo(s): Instructions as an educational resource: an example in a pre-school
Autor: Melo, Ana Cecilia da Costa Carvalho 
Primeiro orientador: Sério, Tereza Maria de Azevedo Pires
Resumo: O objetivo principal deste estudo foi investigar a apresentação de instruções pelo professor aos alunos da Educação Infantil. O estudo foi conduzido com alunos de duas turmas e suas respectivas professoras, sendo uma classe de Pré-Alfabetização (crianças entre cinco e seis anos de idade) e a outra de Jardim (crianças entre três e quatro anos de idade). As filmagens foram realizadas durante dois dias letivos, cada sessão teve duração de cerca de uma hora e ocorreu dentro da sala de aula durante as atividades normais. Posteriormente, todas as sessões foram transcritas e, em seguida, divididas em episódios instrucionais. Estes episódios foram, então, organizados num quadro, em suas respectivas colunas: situação antecedente à instrução, instrução em si, comportamento do(s) aluno(s) subseqüente à instrução e comportamento da professora após resposta do(s) aluno(s). Em seguida, as instruções foram classificadas. Primeiro, se estas eram instruções coletivas ou individuais. Depois em termos de topografia, se estas eram: instrução oral, instrução oral combinada com visual, instrução oral combinada com demonstração e por último, instrução oral combinada com visual e com demonstração. E ainda, em função das características relacionais, se estas apresentavam ou não os componentes da tríplice contingência. O comportamento do aluno (se ele seguia totalmente, parcialmente ou não seguia as instruções) também foi analisado. E por último, foi analisado o comportamento subseqüente da professora se ela fez: algum comentário ou gesto positivo; um comentário ou gesto negativo; não emitiu comentário algum, apenas direcionou o olhar; enfatizou a instrução anterior; ou se ela não faz menção alguma às respostas dos alunos e se engaja em outra atividade. Em relação, ao público das instruções para a classe do Pré, o número de instruções coletivas e individuais foram muito próximo. Já na classe do Jardim, o número de instruções individuais foi maior, principalmente, em função da atividade exercida em um dos dias de coleta. Já em termos de forma, predominaram as instruções orais sem utilizar outros recursos. Em termos de características relacionais, o maior número de instruções, tanto numa turma quanto na outra, foi instruções que especificavam somente a resposta. No que diz respeito, ao comportamento do aluno, a maioria das instruções foram seguidas. Sendo que, não houve muita diferença no seguir instrução em relação à forma das instruções e suas características relacionais. Entretanto, no que diz respeito a seguir instruções, as instruções individuais tiveram um percentual mais alto em relação às coletivas. O número alto de instruções por minuto foi um fator interessante. Outra possibilidade analisada foi a presença da resposta de observação, visto que, quando esta era presente, o seguir instrução era mais alto. E por último, a clareza das instruções emitidas, pois a utilização de perguntas e ironia parece dificultar o seguimento da instrução. Assim, concluímos que a análise da quantidade de instruções emitidas e de suas respectivas características deve ser conteúdo indispensável para cursos de formação de professores
Abstract: The main objective of this study was to investigate the presentation of instructions by the teacher to students of early childhood education. The study was conducted with students in two classes and their teachers, one class with children between five and six years old and the other with children between three and four years old. The shooting was made during two school days, each session lasted about an hour and occurred within the classroom during normal activities. Thereafter, all sessions were transcript and then divided into instructional episodes. These episodes were then organized into a table in their respective columns: a situation antecedent to instruction, instruction in itself, the behavior of the student after the instruction and the behavior of the teacher after the student s response. Then, instructions were classified. First, whether they were individual or group instructions, then in terms of topography, whether they were: oral instructions, oral instructions combined with visual instructions, oral instructions combined with demonstration and finally, oral instruction combined with visual instructions and demonstration. Also, depending on relational characteristics, whether or not they had the components of triple contingency. The behavior of the student (whether he followed instructions fully, partially or did not follow them) was also analyzed. And lastly, the subsequent behavior of the teacher was analyzed on whether she did: some positive comment or gesture, a negative gesture or comment, not issue any comment, only directed a gaze, emphasize the previous instruction, or if she did not make any mention to the students response and engaged in another activity. In terms of the public of the instructions, in the older class, the number of group and individual instructions were very close. In the youngest class, the number of individual instructions was higher, mainly because of the activity performed in one of the days of the shooting. In terms of form, oral instructions were predominant without the use of other resources. In terms of relational characteristics, the higher number of instructions, in both classes, was instructions that specified only the response. Regarding the behavior of the student, most instructions were followed. There was not much difference in following instruction in terms of the form of instructions and in terms of their relational characteristics. However, regarding following instructions, the individual instruction had a higher proportion as compared to the group ones. The high number of instructions per minute was an interesting factor. Another possibility examined was the presence of the response of observation, since when it was present; the response of following instructions was higher. And finally, the clarity of the instructions issued, since the use of questions and irony seems to make following the instructions more difficult. Thus, we conclude that the analysis of the number of instructions issued and their respective characteristics should be essential content in teachers training courses
Palavras-chave: Instrução
Regras
Educação infantil
Instruction
Rules
Pre-school
Avaliacao do comportamento
Educacao de criancas
Professores de educacao pre-escolar
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA EXPERIMENTAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento
Citação: Melo, Ana Cecilia da Costa Carvalho. Instructions as an educational resource: an example in a pre-school. 2009. 116 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16850
Data de defesa: 15-May-2009
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana Cecilia da Costa Carvalho Melo.pdf620,19 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.