???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21110
Tipo do documento: Tese
Título: A aljava e o arco: o que a África tem a dizer sobre Direitos Humanos - um estudo da Carta Mandinga
Autor: Souza, Victor Martins de 
Primeiro orientador: Antonacci, Maria Antonieta Martinez
Resumo: Trata-se de trazer à tona um estudo sobre a Carta Mandinga ou Pacto de Kurukanfuga, documento histórico oral africano, datado do século XIII. O estudo desse Pacto permite a aproximação com uma perspectiva africana daquilo que se convencionou chamar de direitos humanos ou direitos dos povos. O Pacto de Kurukanfuga foi a constituição do Império do Mali, fundado em 1235, pelo maghan (imperador) Sundjata Keita e pela Assembleia (Gbara) da comunidade manden. Em um momento de mudanças sociais e políticas, os caçadores manden (simbon), no século XI, engendraram um juramento para assegurar o bem-estar da sua comunidade. Dois séculos depois, o juramento, trasmitido oralmente, inspirou a Carta Mandinga. Esse documento oral foi inscrito, em 2009, na Lista Representativa de Patrimônio Intangível da Humanidade, da Unesco. Essa tese contém a primeira tradução para o português tanto do Juramento quanto da Carta, aqui analisados e contextualizadas a partir de discussões historiográficas trazidas por historiadores e filósofos africanos e da diáspora. O presente estudo suscita uma discussão sobre uma perspectiva não ocidental dos direitos dos povos, considerando, sobretudo, o pioneirismo deste documento oral africano nesse âmbito
Abstract: This investigation is focused in Manden Charte or Kurukanfuga Pact, an African oral document from the 13th century. The study of this Pact allowed the approach with an African perspective of the so-called rights of the people or human rights. The Kurukanfuga Pact was the constitution of the Mali Empire created in 1235 by the maghan (emperor) Sundjata Keita and the Assembly (Gbara) of manden community. In a moment of political and social changes, the manden hunters (simbon) swore an oath to ensure the well-being of their community in the 11th century. Two century later, the oath, by means of oral transmissions, served as inspiration for the Manden Charte. This oral document was inscribed in 2009 on the Representative List of the Intangible Cultural Heritage of Humanity kept by Unesco. This thesis contains the first translation into Portuguese of the oath of the hunters and the Manden Charte, which is analyzed and contextualized through historiographic debates with African historians and philosophers. The present study raises a discussion of peoples' right perspective that goes beyond the Western propositions, considering, above all, the pioneering of this African oral document in this scope
Palavras-chave: África - História
Mali - História
Direitos humanos - História
Cultura Mandinga
African - History
Mali - History
Human rights - History
Mandingo culture
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::HISTORIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em História
Citação: Souza, Victor Martins de. A aljava e o arco: o que a África tem a dizer sobre Direitos Humanos - um estudo da Carta Mandinga. 2018. 234 f. Tese (Doutorado em História) - Programa de Estudos Pós-Graduados em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21110
Data de defesa: 26-Mar-2018
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em História

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Victor Martins de Souza.pdf10,66 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.