???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/9332
Tipo do documento: Dissertação
Título: O Banco Mundial e a pobreza
Autor: Mountian, André Gal 
Primeiro orientador: Pamplona, João Batista
Resumo: O objetivo deste trabalho é realizar uma avaliação das bases teóricas da atuação do Banco Mundial com relação à pobreza, especialmente a partir da década de 1990. Pretende-se verificar até que ponto o conceito de pobreza do Banco e suas estratégias de redução se basearam na matriz teórica liberal, e identificar as limitações dessas estratégias. A pesquisa se insere no campo da Economia Política, tratando a instituição sob o ponto de vista de suas contradições, buscando compreender as raízes teóricas e históricas de suas concepções. A metodologia utilizada é a análise crítica de estudos do Banco, especialmente o Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial, assim como em bibliografia secundária. A primeira conclusão deste trabalho é que existe uma forte identificação entre as concepções gerais do Banco Mundial e o Liberalismo Econômico. A partir da aceitação do mercado como melhor alocador de recursos na economia e da confiança que esse mecanismo pode gerar benefícios a toda sociedade, inclusive às camadas mais baixas, o conceito de pobre do Banco Mundial é construído como aquele indivíduo que não consegue condições mínimas de sobrevivência, via mercado. Para esse grupo de indivíduos, o melhor remédio seria o desenvolvimento de políticas sociais focalizadas em suas necessidades, ao mesmo tempo em que a orientação da economia para o mercado é intensificada. A primeira limitação verificada das estratégias de combate à pobreza do Banco Mundial é que a essência de sua preocupação é com a pobreza extrema, uma categoria específica de pobre, aquela que não tem condições mínimas de sobrevivência. Não há, nas propostas do Banco, uma ênfase na diminuição das desigualdades sociais, a menos quando prejudicam o crescimento e a eficiência da economia. Outra dimensão de limitações diz respeito ao papel subsidiário do combate à pobreza com relação ao objetivo central do Banco: o crescimento econômico. O combate à pobreza deve ser compatível com o modelo de crescimento do Banco, contribuindo ainda para sua intensificação. Ainda, as políticas sociais focalizadas na pobreza, juntamente com a prioridade de argumentos de eficiência econômica sob noções de direitos sociais universais, acabam por esvaziar e enfraquecer o conceito de cidadania
Abstract: The aim of this work is to evaluate the theoretical foundations of the World Bank activities in relation to poverty, especially in the 90s decade. It aims to examine the extent in which the concept of poverty of the Bank and its strategies of poverty reduction were based in the liberal theoretical matrix, pointing out the limitations of these strategies. The research is inscribed in the field of Political Economy, examining the institution and its contradictions, in order to understand the theoretical and historical backgrounds of its conceptions. The methodology employed is the crtitical analysis of the studies of the Bank, especially of the World Development Report. The first conclusion of this study is that there is a strong identification between the general conceptions of the World Bank and Liberal Economy. From the preponderance of the market as the best distributor of the resources in the economy and the trust that this mechanism can generate benefits to the whole society, including the lower classes, the concept of the poor is constructed as that individual that does not achieve basic resources of survival via market. For this group of individuals, the solution would be then the development of social policies focused on their needs, while at the same time that the orientation of the economy to the market is intensified. The fist limitation that was verified of these strategies of reducing poverty of the World Bark is that the kernel of its concern is in relation to extreme poverty, a specific category of poor, that one that does not have the basic resources for survival. There are not, within the Bank proposal, an emphasis to diminish social inequality, unless when affecting the growth and efficiency of economy. Another dimension of these limitations refers to the subsidiary role of reducing poverty in relation to the central objective of the Bank: economic growth. Poverty reduction has to be compatible with a model of development of the Bank, contributing to its intensification. Furthermore, the social policies focused on poverty, together with the priority of arguments of economic efficiency around notions of universal social rights, come to empty and weaken the concept of citizenship
Palavras-chave: Liberalismo econômico
Focalização
World Bank
Poverty
Economic liberalism
Targeted policies
Banco Mundial
Pobreza
Liberalismo
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ECONOMIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Economia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política
Citação: Mountian, André Gal. O Banco Mundial e a pobreza. 2008. 102 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/9332
Data de defesa: 7-May-2008
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Andre Gal Mountian.pdf395,12 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.