???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/5115
Tipo do documento: Dissertação
Título: A construção sígnica no cinema de Hitchcock
Autor: Santos, Marcelo Moreira
Primeiro orientador: Motta, Leda Tenorio da
Resumo: O presente trabalho enfoca o cinema como forma híbrida de representação, resultante da junção de três linguagens indissociáveis, mescladas, mas distintas: a sonora, a visual e a verbal. Busca-se compreender o entrosamento dessas linguagens na construção sígnica das obras cinematográficas, notadamente no caso específico do cinema de Hitchcock. Trata-se também de assinalar a profunda revolução sígnica determinada pelo advento das imagens em movimento, no final do século XIX, vendo no hibridismo do discurso cinematográfico uma culminância das estéticas oitocentistas fragmentárias, notadamente a baudelairiana, tal como é armada pela atenção flutuante do poeta flâneur, em seu sonho de modernidade. Tomamos como referência teórica principal a Semiótica de Charles Sanders Peirce (1839-1914), que dá base para se refletir sobre a epistemologia do cinema objetivando, com isso, o desenvolvimento da análise da construção sígnica dos filmes, que no fim, constituiria em entender a linguagem híbrida pelo qual o cinema é composto. Marcadamente pautado pelas misturas e justaposições de fragmentos, o signo cinematográfico tem sua gênese delineada por uma poética do movimento, por uma poética de inter-relações e intercâmbios entre as linguagens, que dialoga com o ambiente metropolitano no fim do século XIX. Com o objetivo de se compreender essa estética e essa lógica, encontrada tanto no cinema quanto na metrópole, é que se buscou as reflexões do filósofo alemão Walter Benjamin sobre o flâneur e a experiência fenomenológica do fragmento, e a poesia de Charles Baudelaire, a flânerie e seu sonho moderno de fluência em meio a multidão, em sua entrega aos fenômenos fugidios, entrecortados e abruptos do choque. No primeiro capítulo, discute-se em que medida o desenvolvimento do cinema está atrelado ao ambiente moderno da metrópole. Neste caminho de reflexão sobre a gênese sígnica do cinema, torna-se necessário investigar e questionar a natureza fenomenológica de sua linguagem híbrida. No segundo capítulo, observa-se a construção do signo híbrido cinematográfico, esclarecendo a tríade que o fundamenta: a sintaxe, a forma e o discurso. O terceiro capítulo analisa o filme Um corpo que cai de Alfred Hitchcock, mostrando como, através da tessitura das linguagens visual, sonora e verbal, este diretor confecciona com mão de mestre, o suspense. Na conclusão, além de retomar o todo anterior, o trabalho aponta novos caminhos para se entender a linguagem do cinema, abrindo um novo leque de questionamentos e hipóteses, aprofundando o tema e traçando os horizontes para a continuidade da pesquisa
Abstract: This present work focuses on Movies as a hybrid form of representation, as the result of the union of three indissoluble, mixed, though distinct languages: the sound, the visual and the verbal ones. It seeks to understand the gearing of those languages in the signic construction of cinematographic works, notably in the case of Hitchcock. It is also the opportunity to highlight the profound signic revolution determined by the advent of images in movement in the end of the XIX century and by seeing, in the hybridism of the cinematographic discourse, a culmination of the esthetics of the fragmentary eighteenth century, notably the Baudelairean one, as it is armed by the fluctuating attention of the poet flâneur, in his dream of Modernity. We took as our main theoretical reference the Semiotics of Charles Sanders Peirce (1839-1914), who supplies the grounds for one to reflect on the epistemology of Movies, thus making possible the development of the analysis of the signic construction of Movies which, in the end, would constitute our understanding of the hybrid language of which they are made up of. Markedly limited by mixtures and juxtapositions of fragments, the cinematographic sign has its genesis delineated by the poetics of movement, by a poetics of inter-relations and exchanges between languages, which dialogs with the metropolitan environment in the end of the XIX century. With the objective of understanding this esthetics and such logic, found both in Movies and the Metropolis, one has sought the reflections of German philosopher Walter Benjamin on the flâneur and the phenomenological experience of the fragment, and the poetry of Charles Baudelaire, the flânerie and his modern dream of fluency amid the multitude, in his giving himself to fast-flowing, cut, abrupt phenomena of the chock. In the first chapter, we shall discuss to what extent the development of Movies is tied to the modern environment of the metropolis. On this path of reflection on the signic genesis of the Movies, it is a must that one investigates and questions the phenomenological nature of its hybrid language. In the second chapter, we shall observe the construction of the hybrid cinematographic sign and clarifies the triad that grounds it: its syntax, its form and its discourse. The third chapter analysis the film Vertigo by Alfred Hitchcock, and shows how, through the weaving of the visual, sound and verbal languages, this director creates, with a masterly hand, the thriller. In the Conclusion, besides reviewing all we have seen, the paper points at new ways one can understand the language of Movies, thus opening new inroads of questionings and hypotheses and deepening the theme and elaborating the horizons for the continuation of the research
Palavras-chave: Semiótica
Communication
Semiotics
Um corpo que cai (Filme)
Hitchcock, Alfred -- Sir -- 1899-1990 -- Critica e interpretacao
Cinema
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Comunicação
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Santos, Marcelo Moreira. A construção sígnica no cinema de Hitchcock. 2008. 109 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/5115
Data de defesa: 29-Sep-2008
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcelo Moreira Santos.pdf738,83 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.