???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4782
Tipo do documento: Tese
Título: Meta-corpos: a trajetória da subjetividade ao longo de um século
Autor: Bousso, Vitória Daniela
Primeiro orientador: Santaella, Lucia
Resumo: Esta pesquisa se situa na intersecção das comunicações e das artes, mais especificamente naquilo que vem sendo chamado de arte-mídia. Como objeto de investigação foi detectada a complexidade em que está envolvida a questão da subjetividade na cultura contemporânea. Teorias e conceitos tradicionais na filosofia e na cultura não dão mais conta da diversidade das formas de subjetividade emergentes. Estreitamente ligado à subjetividade, um dos problemas mais candentes no debate contemporâneo é o problema do corpo. Em muitas áreas, nas diversas ciências e na filosofia, assim como nas mídias, literatura, arquitetura, design e artes, o corpo tornou-se um nó de interconexões para onde os debates têm convergido. Entre todos esses campos, a arte se destaca pela multiplicidade e intensidade com que tem tratado a questão do corpo. Assim sendo, a arte é aqui concebida como chave de entrada e de saída para se detectar os rastros qualitativos das subjetividades: identitárias, transgressoras, de resistência, de controle, ou regulação, afetivas ou em desafeto, em transformação, de inquietação, risco e perigo; as do excesso, as existenciais, as simbolistas, as instáveis. A fundamentação teórica que se mostrou mais adequada à discussão do problema foi a teoria da complexidade de Morin e, por afinidade, a teoria da subjetividade do psicanalista cubano Gonzalez Rey. O corpus de análise foi extraído de um campo de experimentação e registros artísticos formado por obras cinematográficas, fotográficas, literárias, vídeos e ambientes imersivos. A seleção desse corpus nasceu da experiência da autora com curadorias ao longo dos anos. Essa experiência levou ao desenvolvimento de uma metodologia que permite reler a história da arte a partir de um ponto de vista que a cultura midiática atual nos oferece no contexto de registros artísticos do aqui e agora, instanciados por um passado recente e materializados por meio de uma investigação multidisciplinar e uma mirada intersemiótica. A pesquisa levada a efeito nos levou à conclusão de que a tecnologia, a clonagem, o corpo em evidência, a violência, a auto-estima problematizada, os tênues limites entre a sanidade e a loucura, a transferência de sistemas, o sublime, tudo isso se articula para confirmar a hipótese de que o corpo representado, simulado ou incorporado pelo artista é índice de processos de subjetividade em trânsito. Como resultado dessa confirmação, o termo que foi encontrado para responder a questão proposta pela pesquisa e caracterizar o sujeito sem contornos fixos, movediço e mutável, é o sujeito hiper , que faz jus à sua condição fluida e líquida
Palavras-chave: Semiótica
Arte
Mídia
Arte e tecnologia
Subjetividade
Corpo humano -- Aspectos sociais
Corpo humano na arte
Arte minimalista
Arte moderna -- Seculo 20
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Comunicação
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Bousso, Vitória Daniela. Meta-corpos: a trajetória da subjetividade ao longo de um século. 2006. 184 f. Tese (Doutorado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4782
Data de defesa: 15-May-2006
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
VitoriaDanielaBousso.pdf417,68 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.