???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4319
Tipo do documento: Dissertação
Título: Redes glocais: articulação política e mobilização social na civilização mediática contemporânea
Título(s) alternativo(s): Glocal networks: political interlinking and social mobilization in contemporary media civilization
Autor: Cunha, Michelle Prazeres 
Primeiro orientador: Trivinho, Eugênio
Resumo: A mobilização das redes sociais na civilização mediática pressupõe produção de articulação politica mediada pelas redes tecnológicas. Estas representam a potência de articulação ou o recipiente no interior do qual se dão as articulações, porque são capazes de enredar, permitem a concentração, o encontro, via voz, texto, imaginário ou fala. O plasma entre ambas conforma uma nova rede, que alua estrategicamente em contrações e expansões, visibilidade e recuos, subvertendo a lógica da modernidade e envolvendo o establishment pela micropolitica, reescrevendo as lógicas da resistência e da disputa pelo poder. Trata-se de uma rede-produto da hibridação indissociável entre redes sociais e redes tecnológicas: um terceiro elemento que a presente pesquisa define como redes sociotécnicas, comunicacionalmente estruturadas, regradas pela informação e historicamente determinadas; ou, numa palavra, redes glocais. A fenomenologia dessas redes só se tornou factível a partir da segunda metade do século XX, com a melhor definição social e cultural da civilização mediática, quando as redes tecnológicas propenderam, mais fortemente, para uma forma de mediação fincada no lastro da proliferação social das tecnologias comunicacionais, na mundialização mercadológica da cultura, na globalização econômica e financeira e na reescritura do espaço urbano. O enredamento dos dois vetares carrega um significado relacional marcado por paradoxos e fragilidades que demandam análise, na medida em que as redes sociais, a despeito de seu comportamento supostamente politizado, podem, no contexto dinâmico em que se desenvolvem e no qual fatalmente aluam, desenvolver, aprofundar e reproduzir a civilização mediática, por contribuírem para a afirmação dos mecanismos tecnológicos e para a alimentação dos fluxos simbolicos e imagéticos baseados na lógica operacional do mercado. Esse contexto pode ser analisado tomando-se por base processo chamado Fórum Social Mundial, cujas estratégias de articulação e mobilização manifestam essa lógica e, portanto, permitem classificá-lo como rede glocal
Abstract: The social networks call for action in media civilization supposes the production of political interlinking mediated by technological networks. The latter represent either an interlinking power or the recipient within which interlinkage takes place, because they are able to intertwined, make concentration possible, and encounter through voice, text, imagination or speech. The plasma between them shapes a new network, which works strategically in contractions and expansions, visibility and climbdown, subverting the logic of modernity and involving the establishment by micro-politics, shaking the logics of resistance and of fight for power. It is about networks product of an indissoluble hybridization among social networks and technological networks, which shapes a third element, that this research defines as socio-technical networks, structured on a communication basis, ruled by information and historically determined; that is, in one word, glocal networks. The phenomenology of these networks has become feasible from the second half of the 20th century on, thanks to the best social and cultural definition of the media civilization, when technological networks tended more strongly towards a mediation manner ~embedded in the ballast of social proliferation of communicational technologies, in the commodificated mundialization of culture, in the economic and financial globalization and in the rewriting of urban space. The intertwining of the two above mentioned vectors carries a relational meaning marked by paradoxes and fragilities that demands analysis, as social networks, despite their supposedly politicized behavior, in the dynamic context in which they have developed and in which they fatally work, may develop, deepen and reproduce the media civilization in the way it wants, by contributing to affirm technological mechanisms and to nourish symbolic and imagetic streams based on the market's operational logics. This context can be analyzed taking as an example the process named World Social Forum, witch call for action and interlinking strategies are manifestations of this logic and so offer elements to call it a glocal network
Palavras-chave: Redes
Articulação
Civilização mediática
Visibilidade
Glocal
Networks
Political interlinking
Media civilization
Visibility
Comunicacao de massa
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Comunicação
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Citação: Cunha, Michelle Prazeres. Redes glocais: articulação política e mobilização social na civilização mediática contemporânea. 2005. 113 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4319
Data de defesa: 30-Nov-2005
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Michelle Prazeres Cunha.pdf6,26 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.