???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3880
Tipo do documento: Dissertação
Título: Parque Estadual de Ilhabela e comunidades tradicionais: uma contribuição ao estudo das unidades de conservação
Autor: Bindi, Gil Carlo 
Primeiro orientador: Bógus, Lucia Maria Machado
Resumo: Face aos impasses gerados pelo intenso processo de urbanização do litoral norte paulistanas últimas décadas, considera-se indispensável a abertura de esforços para tornar o sistema de planejamento urbano capaz de internalizar a gestão dos recursos numa ótica Sensível à questão ambiental. A intensificação dos conflitos resultantes da disputa pelo acesso aos recursos litorâneos desta região trouxe consigo problemas sócio-ambientais agudos no tocante ao desmatamento, à erosão, à contaminação dos recursos hídricos, à desestruturação da paisagem e dos valores culturais, à marginalização, enfim à qualidade de vida da população com residência local fixa. A criação do Parque Estadual de Ilhabela (1977) desassociou as realidades Sociais consolidadas na área, estabelecendo a proibição de qualquer tipo de atividade humana no seu interior. Atualmente, a sua não efetiva consolidação como Unidade de Conservação e a existência de comunidades tradicionais em seu interior e entorno, acarretaram vários impactos sociais negativos. O esgotamento do solo nas áreas cultivadas , devido à proibição das técnicas tradicionais de agricultura baseadas nos períodos de pousio, levou a uma queda geral da produtividade. Vários autores, a partir da década de 1970 detectaram o empobrecimento e proletarização desta população, assim como o aumento da pressão imobiliária sobre o seu espaço. As mudanças das atividades econômicas dos pescadores artesanais, provocadas pela expansão urbana sobre seus espaços, redirecionaram-se para o atendimento ao turismo, com impactos sobre a ocupação do solo e do mar, inviabilizando as formas tradicionais de trabalho. Devido à importância que as áreas de preservação representam a todos os municípios da região do litoral norte paulista, reforça-se a necessidade de integrar a preservação dos recursos naturais ao atendimento das necessidades sociais básicas das comunidades sediadas no entorno e mesmo no interior das Unidades de Conservação. O Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro, implantado pela lei 7.661/1988, e os seus respectivos Planos estaduais, assim como o Projeto de Proteção da Mata Atlântica (1996), vêm aglutinar a uma superposição de legislações que não garantiram a integridade e o uso racional dos recursos da região. Dois pontos fundamentais destes projetos a oficialização da participação direta das comunidades locais na elaboração dos Planos de Gestão e a tentativa de integração das Unidades de Conservação aos processos sócio-econômicos regionais são os alicerces Para qualquer discussão acerca de Desenvolvimento Sustentável
Palavras-chave: Desenvolvimento sustentavel
Parque Estadual de Ilhabela, SP
Praia do Bonete -- Ilhabela, SP
Areas de preservacao
Litoral norte paulista
Mata Atlantica
Politica ambiental
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Citação: Bindi, Gil Carlo. Parque Estadual de Ilhabela e comunidades tradicionais: uma contribuição ao estudo das unidades de conservação. 1997. 225 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3880
Data de defesa: 30-Nov-1997
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Gil Carlo Bindi.pdf33,86 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.