???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3607
Tipo do documento: Dissertação
Título: Estigma social do lugar: estudo de caso sobre o morar na cidade de Carapicuíba
Autor: Marcusso, Ricardo Antonio 
Primeiro orientador: Veras, Maura Pardini Bicudo
Resumo: A Região Metropolitana de São Paulo é caracterizada por uma grande mancha urbana de alta densidade demográfica, onde os espaços são produtos de um processo de espoliação das camadas mais pobres da metrópole. As relações estigmatizantes no interior das áreas periféricas e para fora delas é resultado dos jogos de segregação historicamente construídos para separar os detentores dos bens socialmente produzidos daqueles que os produzem. A forma pela qual se hierarquizam os lugares é a mesma pela qual se constitui a posição social dos sujeitos na metrópole. A cidade de Carapicuíba caracterizada historicamente como uma cidade dormitório é um dos lugares marcados como de pobreza no contexto metropolitano, inserida de forma subordinada, produz e reproduz os elementos de estigmatização de sua população, onde o longe é compreendido como pobre, sujo, desqualificado, marginal, bandido, prostituto, usuário de drogas, entre outros atributos socialmente indesejáveis para o convívio na urbanidade. Os bairros que serviram de recorte micro para uma abordagem macro da totalidade que representa a cidade, o Conjunto Habitacional Presidente Castelo Branco e a Vila Municipal, são lugares onde a estigmatização é recorrente e permanente sobre seus moradores. Assumimos como hipóteses que os processos que marcam tais sujeitos ocorrem dentro dos bairros, na cidade e fora dela, é uma retroalimentação continua que reforça na subjetividade a negação da negação em constituir uma identidade junto ao lugar de maneira a transformá-lo e desconstruir os valores estigmatizantes. A denúncia que apresentamos remonta as contradições que o sistema capitalista de produção e consumo do espaço urbano imprime sobre a realidade dos sujeitos sociais. Elementos que confirmam nossa hipótese de que viver na periferia pobre e assumir tal condição é constituir uma identidade deteriorada em que os elementos comportamentais indesejáveis aos olhos do Outro são identificáveis e imputados aos mesmos nas relações dentro e fora da cidade, intra e entre bairros e para com a metrópole. Como método de análise, realizamos a observação direta e participativa com trabalho de campo e entrevistas em profundidade, em caráter qualitativo para captar o sentimento que o estigma produz sobre os sujeitos nos bairros, na cidade e na metrópole. A abordagem marxista permite captar a dialética em que as contradições se apresentam no tempo e no espaço de forma permanente, sua produção e reprodução para manutenção de um sistema que visa excluir para incluir de forma desigual os que buscam viver no espaço urbano. O trabalho está dividido em três capítulos que visam atingir seu objetivo que é a constatação de uma estigmatização permanente e recorrente dos moradores de Carapicuíba, sendo a construção do argumento a busca de uma síntese objetiva, explicativa e denunciante da realidade dos moradores de Carapicuíba. No primeiro capítulo se descrevem os processos formativos da cidade em seus aspectos históricos e sociais. No segundo se apresentam os conceitos de análise sobre a cidade, as dimensões de se estudar o micro para atingir o macro, as relações entre urbanização e pobreza e apresenta os bairros em estudo. No terceiro capítulo se desenvolvem as análises das entrevistas e conceitos que explicam a estigmatização da pobreza na sociedade desigual, e ainda aponta os fatores que promovem sua permanência no tempo e no espaço da cidade dormitório
Abstract: The Metropolitan Region of São Paulo is characterized by a large urban area of high population density, where the spaces are products of a spoliation process of the poorest of the metropolis. Stigmatizing relations within the peripheral areas and outside them is a result of the segregation of games historically built to separate the holders of socially produced assets of those who produce them. The way to rank the places is the same by which it is the social position of the subjects in the metropolis. The city of Carapicuíba characterized historically as a dormitory town is one of the places marked as poverty in the metropolitan context, set on a subordinate basis, produces and reproduces the stigmatization of elements of the population, where the distance is understood as poor, dirty, disqualified, marginal, villain, prostitute, drug user, and other socially undesirable attributes for socializing in urbanity. The neighborhoods that served as a micro cut for a macro approach of all is that the city, the Housing Complex President Castelo Branco and the Municipal Villa, are places where stigmatization is recurrent and standing on its residents. We assume as hypothesis that the processes which such subjects occur in the neighborhoods in the city and beyond, is a feedback continues reinforcing the subjectivity denial denial to realize an identity to the place in order to transform it and deconstruct the values stigmatizing. The complaint dates back to present the contradictions that the capitalist system of production and consumption of urban space prints on the reality of social subjects. Elements that confirm our hypothesis that living in poor suburbs and take such a condition is to build a deteriorated identity in that undesirable behavioral elements in the eyes of the Other can be identified and allocated to them in the relationships within and outside the city, within and between neighborhoods and with the metropolis. The analysis method, we conducted direct and participant observation with field work and in-depth interviews in qualitative to capture the feeling that stigma has on the subject in neighborhoods in the city and in the metropolis. The Marxist approach captures the dialectic in which the contradictions present in time and space permanently, their production and reproduction for maintaining a system which excludes to include unevenly those who seek to live in urban areas. The work is divided into three chapters that aim to achieve your goal is the realization of a permanent and recurrent stigmatization of residents of Carapicuíba, with the construction of the argument in search of an objective summary, explanatory and denouncing the reality of the residents of Carapicuíba. The first chapter describes the formative processes of the city in its historical and social aspects. In the second presenting the analysis of concepts of the city, the dimensions of studying the micro to achieve the macro, the relationship between urbanization and poverty and presents the districts under study. In the third chapter develop the analysis of interviews and concepts that explain the stigmatization of poverty in unequal society, and also shows the factors that promote their permanence in time and space of the dormitory town
Palavras-chave: Estigma social
Cidade dormitório
Pobreza
Social Stigma
Bedroom city
Poverty
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Citação: Marcusso, Ricardo Antonio. Estigma social do lugar: estudo de caso sobre o morar na cidade de Carapicuíba. 2015. 238 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3607
Data de defesa: 12-Feb-2015
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ricardo Antonio Marcusso.pdf4,1 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.