???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3205
Título: A mídia inserindo os homoeróticos na busca pelo corpo imaginário: nuances do narcisismo contemporâneo
Autor: Picini, Marcelo Vinícius
Primeiro orientador: Montoto, Claudio César
Resumo: Com o surgimento da epidemia pelo Vírus HIV, junto ao grupo de pessoas que se reconhecem como homoeróticas, ocorreram mudanças significativas no comportamento delas diante da sua imagem social. O vírus trouxe um estigma chapado, escancarado a esse grupo, associado à morte. Graças à mídia associada ao consumo de produtos e serviços como também relacionada a entretenimento e lazer, voltados exclusivamente a esse segmento, criou-se uma nova imagem para que os homoeróticos pudessem se identificar, um clichê de aspecto positivo, diferente da imagem anteriormente associada a essas pessoas como aidéticos. A idéia capitalista foi associar esse grupo aos possíveis lucros que poderia ser obtidos por meio do consumo, do sexo, e da busca pelo corpo perfeito. O corpo tornou-se uma fonte inesgotável de possibilidade de remodelação. O corpo deixou de estar em situação de perigo diante da possibilidade da contaminação pelo HIV para ser o lugar da idealização, valorização, beleza e do gozo. Como se o corpo diante destas mudanças pudesse ser um corpo imortal. Este não quer saber da realidade do corpo mortal, levou, após o impacto da epidemia pelo HIV, junto ao grupo dos homoeróticos, a busca pela beleza física e a remodelação do corpo como estratégias de sobrevivência, diante da possibilidade da morte. Como se a possibilidade da contaminação pelo HIV despertasse a necessidade da construção de um corpo imaginário. Concebido a partir do olhar do que o outro quer ver. Isay (1998) acredita que a falta de modelos identificatórios faz com que os homossexuais se identifiquem com os atributos sociais presentes nessa imposição social inconsciente para que seja possível criar uma identidade sólida e única. Como se a partir daí, pudesse diminuir a angústia que todo o ser humano sente diante da representação da sua própria morte. O sintoma é social sim, na medida em que ele é histórico, dependente de uma dada cultura e significado pelo outro. (KOLTAI, 2000). E já que o sintoma é social, compreender a valorização do corpo por meio da remodelação ou mesmo atividades físicas, com esse segmento, é essencial para poder pensar até mesmo em prevenção de HIV/AIDS junto aos homoeróticos. Mesmo não sendo este o enfoque desta monografia não tem como não salientar a relevância deste estudo preliminar. Passarelli salienta que no trabalho de prevenção de DST/AIDS é necessário desvelar as diversas facetas da cultura homossexual na possibilidade de criar programas que intervenham de forma estrutural na realidade destas comunidades, em vez de, simplesmente, agir sobre o comportamento das pessoas. É importante que as informações sobre prevenção sejam contextualizadas pela cultura da comunidade homossexual, por mais difusos que sejam os contornos dessa cultura . (Passarelli, 2001) Como instrumental teórico para pensar nessas questões, vou recorrer à Psicanálise. Nesta monografia faço um levantamento dos principais conceitos teóricos da Psicanálise, que tenham relação com o tema deste estudo. A idéia é também poder pensar na psicanálise de uma forma contextualizada com a contemporaneidade. Escrever sobre a Psicanálise foi retomar parte do conteúdo ensinado neste curso de especialização em Semiótica Psicanalítica A clínica da Cultura. Da PUC-SP vinculado ao Programa de estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica. Espero que o leitor tenha paciência para percorrer o caminho que usei para conceitualizar os termos psicanalíticos. Para facilitar a compreensão de quem está lendo vou delimitar alguns pontos importantes: O tema desta monografia é relacionar o surgimento da epidemia pelo HIV/AIDS junto ao grupo dos homoeróticos com a supervalorização que é dada a uma imagem corporal idealizada. Até que ponto o impacto psíquico associado com a própria morte pôde ter contribuído para o aparecimento de mudanças comportamentais no modo de vida desse grupo, quanto a uma supervalorização da imagem do corpo como modelo de beleza e de jovialidade? Tenho como hipótese que após o surgimento da epidemia pelo HIV e o seu respectivo impacto diante da sua forma de transmissão e mesmo diante da possibilidade da própria morte, levou os homoeróticos também a se associarem a uma busca pela supervalorização do corpo enquanto modelo de saúde, beleza e jovialidade. Seguindo uma tendência que já estava, por outras vias, consolidada junto às mulheres
Palavras-chave: Homoeróticos
Imagem corporal
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Cogeae Lato Sensu - M
Programa: Cogeae Lato Sensu - M
Citação: Picini, Marcelo Vinícius. A mídia inserindo os homoeróticos na busca pelo corpo imaginário: nuances do narcisismo contemporâneo. 2009. 65 f. (Mestrado em Cogeae Lato Sensu - M) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3205
Data de defesa: 1-Oct-2009
Appears in Collections:Lato Sensu (Especialização e MBA - COGEAE)

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcelo Vinicius Picini.pdf363,58 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.