REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/21972
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorTeixeira, Adriana-
dc.creator.ID11854809865por
dc.contributor.advisor1Santos, Rogerio da Costa-
dc.date.accessioned2019-03-12T12:11:59Z-
dc.date.issued2019-02-26-
dc.identifier.citationTeixeira, Adriana. Fake news contra a vida: desinformação ameaça vacinação de combate à febre amarela. 2018. 97 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.por
dc.identifier.urihttps://tede2.pucsp.br/handle/handle/21972-
dc.description.resumoA pesquisa intitulada Fake news contra a vida: desinformação ameaça vacinação de combate à febre amarela faz a leitura da operação das notícias falsas, que circulam conteúdo sobre Saúde Pública, nas redes digitais e nos aplicativos de troca de mensagens. Levantamento feito pela autora da dissertação mostra que, nos últimos anos, as fake news, aliadas dos movimentos antivacina, contribuíram para reduzir os índices de imunização da população mundial – causa de mortes e da volta de doenças erradicadas. No Brasil, a campanha de vacinação de combate à febre amarela foi a primeira vítima das fake news. Antes, no entanto, de mergulhar nos prejuízos à vida que essa narrativa provoca, ao viralizar pelas redes digitais, a presente pesquisa coloca sob reflexão a origem das fake news – palavra que surgiu no século XIX em substituição à expressão false news – para significar as notícias fabricadas e fraudadas pelos meios de comunicação de massa e impostas como verdades por revistas, jornais, rádios e TVs. Para chegar a este resultado, foram consultados arquivos digitais de jornais de língua inglesa. A pesquisa ainda acompanha o percurso das notícias falsas em dois séculos – com a enumeração do emprego de importantes ecossistemas de desinformação em diferentes épocas da história – até chegarmos à comunicação em que se destaca a multiplicidade dos emissores da mensagem. O ambiente digital confere nova potência às fake news, que invadem a Saúde Pública numa disposição ao confronto com as vozes do Estado e da Ciência. Neste ponto da dissertação, o corpus da pesquisa emerge: os posts que circularam pelo WhatsApp durante a campanha de vacinação contra a febre amarela, de 2016 a 2018, com narrativas contra a eficiência da imunização. Para entender a combinação de argumentos utilizados pela desinformação e a potência de convencimento do falso na disputa com outros enunciados, a leitura destes posts é feita, essencialmente, a partir de teorias formuladas pelo filósofo Michel Foucault sobre regimes de verdade, formação discursiva e função enunciativa. Tal reflexão abre caminho para começarmos a compreender o mecanismo de convencimento das fake news na Saúde Pública a partir do conceito da biopolítica, também de Foucault. As notícias falsas operam com o discurso da defesa da vida – como o Estado, a Ciência e a indústria farmacêutica. Mas, quando colocam à prova o objetivo da imunização e influenciam a conduta daquele que entra em relação com ela, as fake news enganam e submetem a vida ao risco. Elas matampor
dc.description.abstractThe research entitled as Fake news against life: misinformation threats vaccination campaign as a control measure for yellow fever reads the operation of fake news that circulate content on Public Health through digital networks and messaging apps. Surveys conducted by the author of the dissertation show that in recent years, fake news – allied with anti-vaccination movements –, have contributed to reducing the immunization rates of the world population – a cause of deaths and of the return to eradicated diseases. In Brazil, the vaccination campaign to combat yellow fever was the first victim of fake news. However, before elaborating on the damages to life that this narrative entails by going viral on digital networks, this present research ponders on the origin of fake news – a word that arose in the nineteenth century to substitute the expression false news to signify the news fabricated and defrauded by the mass media and imposed as truth by magazines, newspapers, radios and TV networks. To get to this result, digital archives of English-language newspapers were consulted. This research also follows the course of fake news throughout two centuries – with the enumeration of the usages of important ecosystems of misinformation at different times in history - until we reach the communication in which the multiplicity of the senders of messages stand out. The digital environment grants new power to fake news that invade Public Health in a willingness to confront the voices of the State and Science. At this point in the dissertation, the corpus of the research rises: the posts with narratives against immunization that circulated through WhatsApp during the 2016 and 2018 yellow fever vaccination campaign. In order to understand the combination of arguments used by the misinformation and the convincing power of the fake in the dispute with other statements, the reading of these posts is made, essentially, through the theories formulated by the philosopher Michel Foucault on regimens of truth, discursive formation and enunciative function. That reflection opens the way to start understanding the fake news convincing mechanism in Public Health through the concept of biopolitics, also Foucault’s. Fake news work with the defense of life speech – so do the State, the Science and the pharmaceutical industry. Yet, when the purpose of immunization is put to the test and the behavior of the one who comes into contact with it is influenced, fake news mislead and subject life to danger. They killeng
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPESpor
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://tede2.pucsp.br/tede/retrieve/48386/Adriana%20Teixeira.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de São Paulopor
dc.publisher.departmentFaculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artespor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsPUC-SPpor
dc.publisher.programPrograma de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semióticapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectFake newspor
dc.subjectVerdadepor
dc.subjectSaúde públicapor
dc.subjectTrutheng
dc.subjectPublic healtheng
dc.subjectYellow fevereng
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::COMUNICACAOpor
dc.titleFake news contra a vida: desinformação ameaça vacinação de combate à febre amarelapor
dc.typeDissertaçãopor
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Adriana Teixeira.pdf2,59 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.