???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21609
Tipo do documento: Tese
Título: Mapulu, a mulher pajé: a experiência Kamaiurá e os rumos do feminismo indígena no Brasil
Título(s) alternativo(s): Mapulu, the pajé woman: the Kamaiurá experience and paths of indigenous feminism in Brazil
Autor: Silveira, Maria Luiza
Primeiro orientador: Junqueira, Carmen Sylvia de Alvarenga
Resumo: Até onde a memória dos mais velhos alcança, Mapulu é a primeira mulher pajé na sociedade Kamaiurá, povo que habita o Parque Indígena do Xingu, no Brasil Central. O estudo aqui apresentado investiga um fenômeno recente no país: o das mulheres indígenas ocupando o espaço do mundo sagrado, dominando práticas de cura e pajelança, tendo acesso ao restrito universo de forças e poderes invisíveis, tradicional domínio masculino. O protagonismo assumido pelas mulheres no seleto universo mágico-religioso, em diversas aldeias do Brasil, encontra em Mapulu o retrato das transformações do lugar feminino no cotidiano do Alto Xingu. A proposta desta tese é a de estudar a inserção feminina kamaiurá no campo do sagrado, lugar antes exclusivo dos homens da comunidade. A pesquisa busca no movimento feminino indígena, nascido das demandas resultantes do contato com a sociedade hegemônica, as raízes que ajudaram no ressurgimento e expansão do número de mulheres pajés; mostra como o Xingu vem absorvendo o trabalho das xamãs; revela como os sonhos orientam o caminho de formação de um pajé, e realiza o levantamento das condições que propiciaram o processo do “tornar-se pajé” de Mapulu Kamaiurá – demonstrando como essa experiência afeta a si mesma e à comunidade
Abstract: As far as the memory of the most elderly can reach, Mapulu is the first pajé woman of the Kamaiurá society, people who live in the Xingu Indigenous Park, in Central Brazil. This study investigates a recent phenomenon in the country: indigenous women taking roles in the sacred world, mastering healing and pajelança practices, having access to the restricted universe of invisible forces and powers, traditional male domains. The major role taken by women in the select magic-religious universe, in many indigenous villages, finds in Mapulu a representation of the changes of the feminine place in the daily routine of the Alto Xingu. This thesis aims at studying the kamaiurá female inclusion in the sacred sphere, place that used to be exclusive of men. The research seeks in the indigenous female movement, originated from demands resulting from the contact with the hegemonic society, the roots that contributed to the resurgence and expansion of the number of pajé women; shows how Xingu has been absorbing the work of female shamans; reveals how dreams guide the path of development of a pajé and surveys the conditions that enabled the process of “becoming a pajé” of Mapulu Kamaiurá – showing how this experience affected herself and the community
Palavras-chave: Mulher Pajé
Mulheres índias - Brasil
Feminismo indígena
Pajé woman
Indian women - Brazil
Indigenous feminism
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Sociais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Citação: Silveira, Maria Luiza. Mapulu, a mulher pajé: a experiência Kamaiurá e os rumos do feminismo indígena no Brasil. 2018. 346 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21609
Data de defesa: 28-Sep-2018
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Maria Luiza Silveira.pdf2,89 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.