???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21145
Tipo do documento: Tese
Título: O supereu como imperativo de gozo e o discurso capitalista
Título(s) alternativo(s): The superego as an imperative of enjoyment and the discourse of the capitalist
Autor: Baima, Ana Paula da Silva
Primeiro orientador: Pacheco Filho, Raul Albino
Resumo: O presente estudo aborda a relação entre a estrutura do sujeito e o contingente histórico atual. Investigamos a articulação entre dois conceitos psicanalíticos: o supereu, definido como imperativo de gozo estrutural do sujeito, e o discurso do capitalista, contribuição lacaniana para a análise do laço social contemporâneo. Nosso posicionamento teórico é que não há na contemporaneidade o surgimento de um “novo supereu”, o que modificaria a estrutura do sujeito. Entendemos que as circunstâncias históricas ocasionam alterações no laço social. Partimos da proposição de que o discurso capitalista utiliza e intensifica o imperativo de gozo proveniente da instância psíquica supereu. Como procedimento, realizamos uma pesquisa teórica abordando alguns seminários e escritos de Jacques Lacan. O estudo divide-se em três momentos. O primeiro trata do supereu como instância psíquica que faz parte da estrutura trans-histórica do sujeito; o segundo aborda as possibilidades teóricas de articular supereu e sociedade; e o terceiro descreve a especificidade do conceito de discurso capitalista e aponta sua relação com o imperativo de gozo do supereu. Constatamos que a ordenação de gozo do discurso capitalista institui-se com a apropriação e intensificação do imperativo supereuoico que nega a castração estrutural do sujeito. O discurso capitalista utiliza o imperativo de gozo de duas maneiras: ao se articular aos ideais da economia capitalista de produção promove a aceleração da produção de mercadorias. Ao se articular ao ideal de consumo, disseminado principalmente pela propaganda, intensifica o comportamento de consumo. Verificamos que, por operar conforme a ética do desejo, o discurso da psicanálise pode ser considerado um contraponto ao discurso capitalista. Se no discurso capitalista há a intensificação da potência do imperativo de gozo, no discurso da psicanálise há uma amenização de tal potência. Possibilitar que o sujeito opere conforme a singularidade do seu desejo e não se submeta massivamente aos ditames do imperativo supereuoico é uma contribuição política de resistência que a psicanálise pode oferecer ao enlaçamento social que mergulha o sujeito na repetição excessiva da função mais-de-gozar do objeto a. Finalizamos a presente pesquisa de doutorado com a apropriação de que a análise de processos sociais contemporâneos não pode prescindir da categoria psicanalítica supereu e de sua articulação com o conceito discurso do capitalismo
Abstract: The present study addresses the relationship between the structure of the subject and the current historical moment. We investigate the articulation between two psychoanalytic concepts: the superego, defined as an imperative of enjoyment, structural of the subject, and the capitalist discourse, Lacanian contribution to the analysis of the contemporary social bond. Our theoretical position is that there is no contemporaneous emergence of a "new superego", which would modify the subject's structure. Historical circumstances bring about changes in the social bond. We start from the proposition that the capitalist discourse uses and intensifies the imperative of enjoyment coming from this psychic instance, the superego. As a procedure, we conduct a theoretical research focused on some seminars and writings of Jacques Lacan. The study is divided in three moments. The first deals with the superego as a psychic instance that is part of the transhistorical structure of the subject; the second deals with the theoretical possibilities of articulating superego and society; and the third describes the specificity of the concept of capitalist discourse and points out its relation with the imperative of enjoyment of the superego. We find that the ordination of enjoyment arising from the capitalist discourse is established with the appropriation and intensification of the superegoic imperative that denies the structural castration of the subject. The capitalist discourse makes uses of the imperative of enjoyment in two ways: by articulating itself with the ideals of the capitalist economy of production, it promotes the acceleration of commodity production. Also, by articulating itself to the ideal of consumption, disseminated mainly by advertising, it intensifies consumption behavior. We verify that, by operating according to the ethics of desire, the discourse of psychoanalysis can be considered a counterpoint to the capitalist discourse. If in the capitalist discourse there is an intensification of the potency of the imperative of enjoyment, in the discourse of psychoanalysis there is a mitigation of such power. To enable the subject to operate according to the singularity of his or hers desire and, therefore, not submitting him or herself massively to the dictates of the superegoic imperative is a political contribution of resistance that psychoanalysis can offer to the social bond that immerses the subject in the excessive repetition of the act of consumption. We conclude the present doctoral research with the appropriation that the analysis of contemporary social processes cannot do without the psychoanalytic category of the superego and its articulation with the concept of the discursive of capitalism
Palavras-chave: Psicanálise
Superego
Capitalismo - Aspectos psicológicos
Psychoanalysis
Superego
Capitalism - Psychological aspects
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Citação: Baima, Ana Paula da Silva. O supereu como imperativo de gozo e o discurso capitalista. 2018. 157 f. Tese (Doutorado em Psicologia: Psicologia Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21145
Data de defesa: 6-Apr-2018
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana Paula da Silva Baima.pdf1,48 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.