Exportar este item: EndNote BibTex

Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/2107
Tipo do documento: Dissertação
Título: Haiti, uma república do Vodu?: uma análise do lugar do Vodu na sociedade haitiana à luz da Constituição de 1987 e do Decreto de 2003
Autor: Pierre, Jean Gardy Jean 
Primeiro orientador: Soares, Afonso Maria Ligório
Resumo: A Constituição de 1987 proclama a liberdade religiosa no Haiti e reconhece o Vodu como religião. No entanto, o estatuto jurídico do Vodu só muda com a publicação do decreto de 4 de abril de 2003 pelo presidente Jean-Bertrand Aristide, que o reconhece juridicamente e como patrimônio cultural da nação haitiana. Este trabalho apresenta uma visão sobre o Vodu haitiano à luz dessas duas recentes conquistas do povo haitiano. O que mudou desde então e quais perspectivas se abrem a esse Estado pioneiro nas lutas americanas pela Independência e pela abolição do sistema escravista? Para responder a essas indagações e outras, propusemos esta pesquisa organizando o trabalho em três capítulos: O primeiro traça a história do Haiti, desde o período em que era habitado pelos povos Tainos, passando pela colonização espanhola e francesa, pela independência e por outros acontecimentos mais importantes, para depois definir o Vodu levando em conta sua origem e sua evolução histórica e sociológica. No segundo capítulo, refletimos sobre a relação entre a Igreja Católica, o Estado e o Vodu após a Independência. A relação com o Vodu foi sempre tensa e polêmica, variando da acolhida incondicional ao repulso sistemático, ou ainda da tolerância à intransigência. Em 1860, a Igreja Católica assinou uma Concordata com o Estado e após a Concordata, organizou várias campanhas contra o Vodu. No terceiro capítulo, refletiremos sobre a reabilitação do Vodu por um setor da elite intelectual do país, especialmente por meio da Escola Indigenista, durante a ocupação americana. Os principais representantes deste movimento foram Jean Price-Mars, médico e antropólogo, o romancista Jacques Roumain,e François Duvalier que através de numerosas pesquisas e publicações ajudaram no renascimento do Vodu como religião. Com o Concílio Vaticano II, a Igreja Católica mostrou-se mais compreensiva e tolerante frente ao Vodu, a ponto de procurar compreendê-lo a partir de dentro. A revalorização do Vodu o ajudou a sair da clandestinidade e ajudou também os haitianos a reencontrarem os valores que os uniram no passado e que os podem unir outra vez em torno de um projeto de reconstrução nacional
Abstract: The Constitution of 1987 proclaims religious liberty in Haiti and acknowledges Voodoo as a religion. However, Voodoo s legal status was changed only with a decree by President Jean-Bertrand Aristide in April 4th, 2003, which recognized Voodoo as cultural heritage of the Haitian nation This work presents a vision of Haitian Voodoo in the light of these two recent accomplishments of the Haitian people. What has changed since then and which perspectives are now available to the pioneer state in the American fights for independence and for the abolishment of slavery? In order to answer to those questions and the others, we have proposed this reserearch, having organized our work in three chapters. The first one describes the history of Haiti, from the time the country was inhabited by the Taïno Amerindians to the Spanish and French colonization periods and other more relevant events. Then we proceed to describing Voodoo, bearing in mind its origin and historical and sociological evolution. In the second chapter, we reflect on the relation between State, the Catholic Church and Voodoo after Independence. The relation with Voodoo was always tense and controversial, varying from unconditional acceptance to orderly repulse and from tolerance to intransigence. In 1860, the Catholic Church signed a concordat with the Haitian State and, thereafter, organised several campaigns against Voodoo. In the third chapter, we reflect on the rehabilitation of Voodoo by a sector of the country s intellectual elite, with a highlighted contribution of the Indigenist School during American occupation. The main representatives of that movement were Jean Price-Mars, physician and anthropologist, and Jacques Roumain, a novel writer and François Duvalier. They contributed to the renaissance of Voodoo as a religion, with numerous publications and pieces of research. With II Vatican Council, however, The Catholic Church has become more understanding and tolerant regarding Voodoo, to a point in which it has come to try to understand the latter from within. The revaluation of Voodoo helped it to leave clandestineness and helped Haitians to reencounter the values which united them in the past and which can unite them again around a project of national reconstruction
Palavras-chave: Vodu
Voodoo
Haiti [Constituicao (1987)]
Haiti -- Historia
Igreja e Estado -- Haiti
Voduismo
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::TEOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Ciências da Religião
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião
Citação: Pierre, Jean Gardy Jean. Haiti, uma república do Vodu?: uma análise do lugar do Vodu na sociedade haitiana à luz da Constituição de 1987 e do Decreto de 2003. 2009. 144 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/2107
Data de defesa: 17-Jun-2009
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Jean Gardy Jean Pier.pdf3,88 MBAdobe PDFThumbnail

Baixar/Abrir Pré-Visualizar


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.