???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21055
Tipo do documento: Dissertação
Título: Um signo em desenvolvimento: o conceito de self na filosofia de C. S. Peirce no período de 1865 a 1870
Autor: Lovato, Maria Vitória Canesin 
Primeiro orientador: Ibri, Ivo Assad
Resumo: Esta dissertação procura investigar as discussões em torno do conceito de self na filosofia do jovem Charles Sanders Peirce (1834 -1914), durante o período de 1865 até 1870. Apesar de tratar-se de pensamentos de sua juventude, buscaremos argumentar que esses anos trazem debates de fundamental importância para entendermos como e de quais contextos teóricos e metodológicos a temática sobre o self emerge. Desde 1865, Peirce discute a relação da lógica com a psicologia, defendendo explicitamente uma posição não psicológica da lógica. Nesse contexto, já aparece uma forte crítica à introspecção, revelando o afastamento do espírito do cartesianismo e da tendência a entender o processo de pensamento como intuitivo ou dependente de fatores psíquicos. De maneira geral, a crítica ao psicologismo na lógica demandará uma revisão da ideia de subjetividade e, mais especificamente, a de self sob novos horizontes filosóficos. Assim, sob sua ainda inicial teoria dos signos e sua abordagem social da epistemologia, Peirce negará uma noção de self caracterizada pela completa individualidade e introspecção, abrindo caminho para uma caracterização nova e positiva da subjetividade balizada por uma lógica objetiva, onde inclusive o conhecimento de nós mesmos procede de maneira mediata e em referência ao mundo externo. É no ínterim dos anos estudados nesse trabalho que aparecem as importantes – e muito comentadas – caracterizações do self como um signo e do self como uma mera negação, se considerado como uma existência separada. No percurso deste estudo veremos que, mesmo sob o escopo de suas iniciais investigações lógicas, durante os anos de 1865 a 1870, Peirce já admitia um entendimento social e aberto do self, abrindo caminho para uma nova abordagem mais ampla e solidária que distanciase de visões egoístas
Abstract: This dissertation intends to investigate the discussions involving the concept of self in the philosophy of the young Charles Sanders Peirce (1834-1914) between 1865 and 1870. Although the thoughts are from his youth years, we will present arguments to show those were years that brought debates of underlying importance for us to understand how and from which theoretical and methodological contexts the theme self emerges. Since 1865, Peirce reasons the relationship between logic and psychology, and argues, explicitly, for a non-psychological position for logic. Within this context, a strong criticism of introspection is born, and it reveals a detachment from the cartesian spirit and the inclination to understand the process of thinking as intuitive or dependable of psychic factors. In general, the criticism of psychologism in logic will demand a revision of the idea of subjectivity and, more specifically, of the self under new philosophical horizons. Therefore, under his then early theory of signs and his social approach to epistemology, Peirce will negate a notion of self characterized by complete individuality and introspection, opening way to a new and positive characterization of subjectivity buoyed by an objective logic, where all knowledge, including of ourselves, proceed in a mediate way and in reference to an outside world. It’s during the years we study in this dissertation that some of the most important – and most commented – characterizations of the self as a sign and of the self as mere negation, if a separate existence is considered, appear. Along this study we will see that, even under the scope if his early logic investigations between 1865 and 1870, Peirce already admitted to a social and opened understanding of the self, giving way to a new approach, one that is broader and sympathetic to less selfish visions
Palavras-chave: Peirce, Charles Sanders [1839-1914] - Crítica e interpretação
Self (Filosofia)
Pragmatismo
Peirce, Charles Sanders [1839-1914] - Criticism and interpretation
Self (Philosophy)
Pragmatism
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::FILOSOFIA
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia
Citação: Lovato, Maria Vitória Canesin. Um signo em desenvolvimento: o conceito de self na filosofia de C. S. Peirce no período de 1865 a 1870. 2018. 88 f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/21055
Data de defesa: 13-Mar-2018
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Maria Vitória Canesin Lovato.pdf1,11 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.