???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20014
Tipo do documento: Tese
Título: A proliferação do transtorno bipolar como paradigma do discurso capitalista
Título(s) alternativo(s): The proliferation of bipolar disorder as a paradigm of capitalist discourse
Autor: Morais, Jamile Luz 
Primeiro orientador: Pacheco Filho, Raul Albino
Resumo: Esta tese teve como objetivo central compreender, a partir da perspectiva psicanalítica lacaniana, o aparelhamento do laço no discurso capitalista, tomando como referência a proliferação de sujeitos que, conforme o Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM) são enquadrados na categoria que engloba o Transtorno Afetivo Bipolar (TAB). Buscamos tecer uma crítica em torno da razão diagnóstica que sustenta e determina não só o diagnóstico do transtorno, mas também sua crescente banalização. Partimos da ideia segundo a qual o discurso em voga no DSM, em sua copulação com o capital, tenta forjar um enquadramento de laço que foraclui o sujeito do desejo, expropriando-o, assim, da possibilidade de construir um saber acerca do seu próprio mal-estar. Concebemos o fenômeno da proliferação diagnóstica em torno do TAB como um fato no campo do social que, por assim dizer, acarreta impactos sobre o sujeito do desejo e nos laços que estabelece, trabalhando com a tese de que a dita propagação pode ser entendida como um paradigma do discurso capitalista. Discutimos como o significante bipolar, tomado do discurso pseudocientífico, surge como uma das máscaras do sofrimento do sujeito na sociedade e como a multiplicação do referido transtorno mascara a cisão produzida entre o sujeito ($) e o saber (S2) no discurso capitalista. A presente tese visou, antes de tudo, restituir não só a importância da clínica psiquiátrica no tratamento do que hoje se chama “os transtornos mentais” (especialmente em relação ao transtorno bipolar), mas também como a psicanálise, dirigida ao sujeito do desejo (sujeito do inconsciente), insere-se nesse contexto, de um discurso dominado pela lógica do DSM. Entendemos que o diagnóstico em psiquiatria deve ser visto como um instrumento e não como uma meta, pois, se assim for, ele servirá mais como uma especialidade serva de uma normalização e do capital, rotulando sujeitos que fogem a uma regra pretensamente bem estabelecida, do que trabalhando a favor de (re)inserir esses sujeitos na sociedade
Abstract: This thesis main objective was to understand, from the Lacanian psychoanalytic perspective, the instrumental use of the bond in the capitalist discourse, taking as a reference the proliferation of subjects that, according to the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (DSM), fall into the category that encompasses the Bipolar Affective Disorder. We seek to build a critique around the diagnostic reason that supports and determines not only the diagnosis of the disorder, but also its increasing trivialization. We start from the idea that the popular discourse in the DSM, in its copulation with the capital, tries to frame the bond foreclosing the subject of desire, thus taking away from them the mere possibility of building a knowledge about their own uneasiness. We conceive the phenomenon of the proliferation of the bipolar disorder diagnostic as a fact in the social field that has impacts on the subject of desire and on the bonds they establish, working with the idea that the said propagation can be understood as a paradigm of the capitalist discourse. We discuss how the bipolar signifier, taken from the pseudoscientific discourse, arises as one of the masks of the subject's suffering in society and how the multiplication of that disorder disguises the scission between subject ($) and knowledge (S2) in the capitalist discourse. The present thesis aimed, above all, to restore not only the importance of the psychiatric clinic in the treatment of what is now called "mental disorders" (especially bipolar disorder), but also how psychoanalysis, addressed to the subject of desire (subject of the unconscious), stands in the context of a discourse dominated by the logic of the DSM. We understand that the diagnosis in psychiatry should be seen as an instrument rather than a goal, lest it will serve as a specialty in the service of standardization and capital, labeling subjects who escape a presumably well-established rule, more than actually work to reinsert these subjects into society
Palavras-chave: Transtorno bipolar
Discurso capitalista
Psicanálise
Bipolar disorder
Capitalist discourse
Psychoanalysis
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Citação: Morais, Jamile Luz. A proliferação do transtorno bipolar como paradigma do discurso capitalista. 2017. 297 f. Tese (Doutorado em Psicologia: Psicologia Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/20014
Data de defesa: 7-Apr-2017
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Jamile Luz Morais.pdf2,2 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.