???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19867
Tipo do documento: Tese
Título: Resistência e consentimento na empresa pós-fordista: uma etnografia com trabalhadores da Embraer
Autor: Oliveira, Marco Antonio Gonsales de 
Primeiro orientador: Nogueira, Arnaldo José França Mazzei
Resumo: O objetivo desta tese foi estudar as relações subjetivas entre os trabalhadores e a Embraer, uma empresa alinhada aos conceitos pós-fordistas de gestão. Para tanto, através dos conceitos da etnografia nos moldes de um estudo de caso ampliado, por um ano frequentei os espaços de conflito entre capital e trabalho, participei de reuniões no Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, ouvi os trabalhadores no sindicato e fora dele, frequentei a entrada da Embraer, acompanhei as mobilizações antes e durante os movimentos paredistas (greves e assembleias), conversei com os trabalhadores tanto do setor produtivo quanto da gestão da Embraer e observei-os. Por meio de estudo prévio realizado sobre as produções de autores como Antonio Gramsci (1978, 1984, 2004, 2008) e Michael Burawoy (2012, 2014), além dos principais autores da teoria crítica em estudos organizacionais, da sociologia e da interação com a classe trabalhadora, veio à tona uma interessante constatação: os intentos subjetivos propostos pelas empresas pós-fordistas não são tão efetivos como muitos estudos apontam. Não há efetividade dos intentos subjetivos sob relações precárias de trabalho. Boa parte da classe trabalhadora, uma interessante fração, explicitamente a mais precarizada, é cética no tocante às propostas subjetivas das empresas. “Não temos muito o que perder, mas o que temos ainda é muito” (trabalhadora da Embraer ao comemorar o fim de uma greve). São trabalhadores imersos na hegemonia articulada pelos intelectuais orgânicos burgueses, subjetivados pelos valores e padrões sociais burgueses, mas que não demonstram em seu cotidiano, em suas falas e em seus comportamentos a proposta de subjetividade que a empresa promove. O trabalhador precariado preocupa-se mais com os laços objetivos das relações de trabalho e menos com as promessas e pechinchas emocionais promovidas pela empresa: seu objetivo é estar e manter-se empregado. Mesmo consentindo, muitos compreendem a situação de opressão e injustiça que a realidade do seu trabalho lhes impõe. Há consentimento, mas pouco comprometimento, daí a fragilidade do modelo de desenvolvimento pós-fordista, em que o limiar entre o consentir e resistir é tênue. Por outro lado, curiosamente nos espaços de conflitos estudados, explicitou-se, de uma forma inédita, um movimento de “contrarresistência organizada” em busca de consentimento e de comprometimento: um movimento organizado de contenção à resistência sindical. Líderes, gestores, engenheiros e técnicos se organizaram e confrontaram o sindicato durante os movimentos paredistas de 2014 na Embraer. Sob o contexto da precarização do trabalho, os trabalhadores com “mais salário”, também sob ameaça, tendem a aderir com veemência às propostas subjetivas da empresa. Quando as classes ditas subalternas entram em conflito, aqueles que auferem “mais salário” – a burguesia assalariada – diferenciam-se e distanciam-se da massa da classe trabalhadora mais pobre, assimilando com maior facilidade os valores da classe hegemônica e, por estes, resistem e também lutam: é o medo de se tornar um proletário ou um trabalhador precário
Abstract: The objective of this thesis was to study the subjective relationships between workers and Embraer, a company aligned to post-Fordist management concepts. Through an ethnography along the lines of a case study extended for one year, I attended the spaces of conflict between capital and labor, I went to meetings at the Metalworkers Union of São José dos Campos, heard workers in the union as well as outside, I followed the demonstrations before and during the strikers movement, and talked and watched the workers in the productive and management sectors of Embraer. Through previous study of authors such as Antonio Gramsci (1978, 1984, 2004, 2008) and Michael Burawoy (2012, 2014), in addition to the main authors of critical theory in organizational studies, sociology, and interaction with working class, an interesting fact came to light: the subjective intentions proposed by post-Fordist companies are not as effective as many studies believe. There is no effectiveness of subjective intent over insecure working relationships. Much of the working class – an interesting fraction, explicitly the more insecure – are skeptical of the subjective proposals of companies, “We have a lot to lose, but what we have is still a lot” (Embraer worker celebrating the end of a strike). Workers are immersed in bourgeois hegemony articulated by through organic bourgeois intellectuals, subjectified by bourgeois values and social standards, but which do not show in their daily lives, in their discourse, and in their behavior the proposal of subjectivity that the company promotes. The insecure worker is more concerned with the objective ties of labor relations and less concerned with the emotional promises and bargains promoted by the company – after all, the goal is to be and remain employed. Even when consenting, many understand the situation of oppression and injustice that the reality of their work imposes. There is consent but little commitment, hence the fragility of the post-Fordist model of development, where the threshold between consenting and resisting is tenuous. On the other hand, in the studied conflict spaces, it is explained that, in an unprecedented way, there is a movement of “organized counterresistance” in search of consent and commitment: an organized trade union resistance movement. Leaders, managers, engineers, and technicians organized and confronted the union movement during the 2014 strikes at Embraer. Under the context of work insecurity, workers with “higher salaries”, who are also under threat, tended to adhere strongly to the subjective proposals of the company. When subaltern classes entered into conflict, those who earn “more pay” – the richer bourgeoisie – differentiate and distance themselves from the working class masses, being assimilated to hegemonic class values more easily, resisting and also struggling: they feared becoming a proletarian or a poor worker
Palavras-chave: Relações de trabalho
Precarização do trabalho
Greves e lockouts - Metalúrgicos
Subjectivity of the worker
Precarious work
Strikers movement
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Economia, Administração, Contábeis e Atuariais
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração
Citação: Oliveira, Marco Antonio Gonsales de. Resistência e consentimento na empresa pós-fordista: uma etnografia com trabalhadores da Embraer. 2017. 256 f. Tese (Doutorado em Administração) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19867
Data de defesa: 16-Mar-2017
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marco Antonio Gonsales de Oliveira.pdf2,39 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.