???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19860
Tipo do documento: Dissertação
Título: Histórias de aprendizagem e sensibilidade à mudança nas contingências: efeito de instruções mínima, geral e específica
Título(s) alternativo(s): Learning histories and sensitivity to change of contingencies: minimum, general and specific instructions effect
Autor: Vaz, Luiza Mulin 
Primeiro orientador: Pereira, Maria Eliza Mazzilli
Resumo: Analistas do comportamento têm se preocupado em avaliar o efeito de diferentes histórias de aprendizagem sobre a sensibilidade a mudanças nas contingências. A presente pesquisa teve o objetivo de investigar o efeito de algumas variáveis na sensibilidade à mudança nas contingências, sendo elas: (1) histórias de aprendizagem, por regras ou por contingências; (2) histórias de aprendizagem por regras mais ou menos específicas (instrução geral e instrução específica); e (3) manutenção ou mudança no tipo de instrução apresentada nas diferentes fases. Vinte participantes foram alocados em cinco grupos experimentais, definidos de acordo com a forma de aquisição do repertório na Fase 1: aprendizagem por instrução geral (dois grupos); aprendizagem por instrução específica (dois grupos); e aprendizagem por contingências – instrução mínima (um grupo). Na Fase 2, bloco 1, o mesmo tipo de instrução foi mantido para três grupos; para os outros dois grupos, a instrução foi alterada para mínima. Na Fase 2, bloco 2, ocorreu mudança não-sinalizada das contingências. Nas duas fases, a tarefa consistiu em um procedimento de escolha de acordo com o modelo e foi realizada no computador. Na Fase 1, era reforçada a resposta de clicar sobre o estímulo comparação igual ou em forma ou em cor ao estímulo modelo. Essa fase conteve três sessões, de 36 tentativas cada. A Fase 2 conteve três sessões, cada uma dividida em dois blocos. O bloco 1 correspondia às primeiras 10 tentativas e o Bloco 2 correspondia às 26 tentativas seguintes. Em cada bloco, uma contingência entrava em vigor. Nos blocos 1, havia apresentação de instrução e era reforçada a resposta de clicar sobre o estímulo comparação igual em forma ou em cor ao estímulo modelo. Nos blocos 2, não havia instrução e era reforçada a resposta de clicar sobre o estímulo comparação diferente do estímulo modelo. Essa mudança de contingência foi realizada sem qualquer sinalização. Os resultados mostraram que o grupo em que a aquisição do repertório se deu pelas contingências e um dos grupos em que a aquisição de deu por instrução geral foram os que ficaram mais sensíveis à mudança nas contingências, enquanto um dos grupos em que a aquisição do repertório se deu por instrução específica apresentou insensibilidade à mudança nas contingências. Esse resultado indica que, quando há mudança nas contingências, histórias de aprendizagem por contingências e por instrução geral favorecem a mudança no responder; já a aprendizagem por instrução específica torna o responder pouco sensível a mudança. Em geral, os grupos que receberam instrução mínima na Fase 2 (blocos 1) mostraram-se mais sensíveis à mudança nas contingências, quando comparados aos grupos que receberam instrução geral ou específica nas duas fases
Abstract: Behavioral analysts have been concerned with evaluating the effect of different learning histories over the sensitivity to the change of contingencies. The present research has investigated the effect of three variables over the sensitivity to the change of contingencies: (1) learning histories, by rules or contingencies; (2) the degree of instructional specificity (general instruction and specific instruction); and (3) maintenance or change of the instruction between phases. Twenty participants were assigned to one of five experimental groups, that were different by the acquirement of repertoire in Phase 1: two groups were exposure to general instruction; other two groups were exposure to specific instruction and one group were exposure to learning by contingencies (minimum instruction). In Phase 2, block 1, the same type of instruction was maintained for three groups; for the other two groups, the instruction was shifted to a minimum instruction. In Phase 2, block 2, the reinforcement contingency was modified without any previous warning. In both phases, a first order matching-to-sample task procedure was programmed in the computer. In Phase 1, was reinforced to choose one of the comparison stimuli that shared the property “equal in shape or in color” with the sample stimulus. This phase contained three sessions, of 36 trials each. Phase 2 contained three sessions, each divided into two blocks. Block 1 corresponded to the first 10 trials and Block 2 corresponded to the following 26 trials. In each block, a contingency would take effect. In blocks 1, there was instruction presentation and the contingency in effect was the same one of the Phase 1 (correct relation was the property: “equal in shape or in color”). In blocks 2, there was no instruction presentation and was reinforced to choose one of the comparison stimuli that did not shared any property with the sample stimulus. This change of contingencies occurred without previous warning. The results showed that the group exposed to learning by contingencies and one of the groups exposed to general instruction showed the most sensitivity when the contingencies were shifted. While one of the groups exposed to specific instruction showed insensitivity when the contingencies were shifted. This result indicates that learning histories by contingencies and by general instruction promotes the sensitivity to the change of contingencies. In the other hand, the learning history by specific instruction produces less sensitivity to the change of contingencies. In general, the groups that were exposed to minimal instruction in Phase 2 (blocks 1) showed more sensitivity to the change of contingencies when compared to the groups that were exposed to general or specific instruction between the two phases
Palavras-chave: Avaliação de comportamento
Comportamento - Modificação
Instruções
Contingency-shaped behavior
Rule-governed behavior
Instructions
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA EXPERIMENTAL
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento
Citação: Vaz, Luiza Mulin. Histórias de aprendizagem e sensibilidade à mudança nas contingências: efeito de instruções mínima, geral e específica. 2017. 103 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19860
Data de defesa: 17-Mar-2017
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Luiza Mulin Vaz.pdf1,81 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.