REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/17531
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorMota, Maria Ester Vaz da Silva-
dc.creator.IDCPF:10575por
dc.contributor.advisor1Medeiros, Suzana Apparecida da Rocha-
dc.contributor.advisor1IDCPF:139por
dc.date.accessioned2016-04-29T14:16:03Z-
dc.date.available2011-09-02-
dc.date.issued1995-11-30-
dc.identifier.citationMota, Maria Ester Vaz da Silva. O quotidiano do idoso: espaço de regulação ou de emancipação?. 1995. 158 f. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1995.por
dc.identifier.urihttps://tede2.pucsp.br/handle/handle/17531-
dc.description.resumoCom este trabalho procurou-se entender as interacções que os idosos estabelecem no seu quotidiano. Apresentam-se dados sobre as pessoas idosas em relação com os equipamentos colectivos disponíveis e sobre as suas formas de vida em geral. Através da observação de dois grupos diferentes de pessoas idosas residindo em meio rural e em meio urbano tentamos responder à questão de saber se os serviços que se dirigem especificamente à terceira idade deverão procurar providenciar «soluções feitas», ou, ao contrário, tornarem-se mais apelativos da participação activa dos seus utentes. Os nossos subgrupos de amostra não são representativos dado que esta pesquisa se pretendeu exploratória sobre uma temática em que a produção teórica não é abundante. Privilegiamos por isso uma metodologia de tipo qualitativo, de investigação em profundidade, junto de dois grupos «exemplares». Emergem neste estudo duas realidades diferentes no que respeita aos idosos residentes em meio rural e, por outro lado, aos residentes em meio urbano, servido por equipamentos colectivos. Ficou clara não só a percepção dos dois tipos de convivia diferentes, como o facto de que a existencia/não existência de serviços não é determinante do bem-estar dos idosos. Dois factores aparecem como especialmente responsáveis pela insatisfação deste grupo de idade: o baixo valor das reformas que recebem (factor de primeira importância no grupo rural) e a lógica homogeneizaste dos serviços que induzem a um consumo passivo de serviçospor
dc.formatapplication/pdfpor
dc.thumbnail.urlhttp://tede2.pucsp.br/tede/retrieve/36532/Maria%20Ester%20Vaz%20da%20Silva%20Mota.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de São Paulopor
dc.publisher.departmentServiço Socialpor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsPUC-SPpor
dc.publisher.programPrograma de Estudos Pós-Graduados em Serviço Socialpor
dc.rightsAcesso Restritopor
dc.subjectPessoas idosaspor
dc.subjectPopulacao idosapor
dc.subjectTerceira idadepor
dc.subjectVelhicepor
dc.subjectIdosos -- Condicoes sociaispor
dc.subjectIdosos -- Cuidado e tratamentopor
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::SERVICO SOCIALpor
dc.titleO quotidiano do idoso: espaço de regulação ou de emancipação?por
dc.typeDissertaçãopor
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Maria Ester Vaz da Silva Mota.pdf
  Restricted Access
17,59 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.