???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17155
Tipo do documento: Tese
Título: Emoções e capital: as mulheres no novo padrão de acumulação capitalista
Título(s) alternativo(s): Emotion and capital: women in the new standard of capitalist accumulation
Autor: Souza, Terezinha Martins dos Santos
Primeiro orientador: Netto, José Paulo
Resumo: O capital sempre incidiu na subjetividade da classe trabalhadora, aprisionando-a, mas no capitalismo contemporâneo apresenta um traço novo que é a conformação, por mediações distintas, dessa subjetividade. No atual momento de reestruturação produtiva, surgem novas e refinadas formas de dominação, com ênfase na potenciação das emoções do conjunto dos/as trabalhadores/as. De acordo com essa premissa, este trabalho analisa o significado do crescimento que ocorre, no atual padrão de acumulação, no número de mulheres em cargos de direção, bem como os rebatimentos que recaem sobre a constituição da subjetividade dessas mulheres. Utilizou-se o arsenal metodológico marxista para abordar as categorias do modo de produção capitalista e sua relação com o controle/gestão da força de trabalho, categorias que são principais para entender o desenho da dupla subordinação - de gênero e de classe - que o capital faz recair sobre parcela da classe trabalhadora, que são as mulheres. A análise revela que, no atual momento de reestruturação produtiva, uma das formas de potenciar a extração da mais valia relativa é a exploração de certas emoções da força de trabalho das mulheres em cargos de direção, enquanto gestoras e responsáveis pelo controle e otimização da produção, propiciando, como conseqüência, um incremento da mais valia relativa. O capital não efetua gastos para qualificar a mulher gestora para isso, visto que as mulheres são historicamente treinadas pela educação de gênero para lidar bem com as emoções. Dessa forma, a força de trabalho das mulheres gestoras desonera o capital. O crescimento do número de mulheres em cargos de direção não representa um rompimento com o padrão de divisão social e sexual do trabalho, bem como, nos moldes em que se dá, contribui para emersão, nessas mulheres, de uma subjetividade que apresenta forte aderência à lógica societal do capital
Palavras-chave: Emoções
Marxismo
Mulheres
Emotions
Marxism
Women
Capitalismo
Mulheres executivas
Mulheres -- Condicoes sociais
Mulheres -- Emprego
Feminismo
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA SOCIAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social
Citação: Souza, Terezinha Martins dos Santos. Emoções e capital: as mulheres no novo padrão de acumulação capitalista. 2006. 353 f. Tese (Doutorado em Psicologia: Psicologia Social) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/17155
Data de defesa: 12-May-2006
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Social

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
TEREZINHA MARTINS DOS SANTOS SOUZA.pdf1,44 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.