???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16668
Tipo do documento: Dissertação
Título: A variabilidade de sequência de pressões à barra em diferentes condições de reforçamento
Título(s) alternativo(s): Variability of response bar-press in different schedule of reinforcement
Autor: Medeiros, Marcos Alexandre de 
Primeiro orientador: Sério, Tereza Maria de Azevedo Pires
Resumo: Variabilidade comportamental vem sendo estudada, pelo menos desde 1951, como produto de extinção ou de intermitência de reforçamento, sendo um subproduto desses procedimentos. Em 1985, Page e Neuringer, propuseram que a variabilidade é um operante, ou seja, o comportamento variável seria sensível às conseqüências e poderia ser colocado sob controle de estimulas. Em 1997, Machado, retoma a discussão de que a variabilidade é um subproduto, argumentando que o método utilizado por Page & Neuringer estaria reforçando o comportamento de alternação entre barras e não a variação de sequências de respostas. Porém, essa hipótese não pode ser completamente investigada, pois, segundo Machado (1997), para comparar a variabilidade produzida por esquemas de variabilidade exigida ELAS N) e esquemas de alternação entre barras exigida (ALT), deveriam ser utilizadas sequências longas de respostas. O presente estudo utilizou ratos enquanto sujeitos experimentais e tem como objetivo comparar a variabilidade produzida em ambos esquemas (LAG e ALT) em seqüências curtas e longas de respostas. Para controlar a intermitência de reforço, foram utilizados dois sujeitos acoplados. O procedimento permite um aumento progressivo do tamanho da sequência (iniciando com sequência de quatro respostas e terminando com sequências de doze respostas de respostas) determinado pelo desempenho do próprio sujeito. O presente trabalho considerou como variabilidade a equiprobabilidade na apresentação das diferentes possibilidades de sequências de pressão à barra e utilizou o índice de imprevisibilidade ^UU" para medir variabilidade. Os resultados mostram que um dos sujeitos acoplados apresentou altos índices de variabilidade. Para sequências curtas de pressões à barra os sujeitos, apresentaram maior variabilidade na fase inicial. Os sujeitos que iniciaram o procedimento em ALT tiveram maior variabilidade em ALT. Os sujeitos que iniciaram o procedimento em LAG, tiveram maior variabilidade em LAG. Com sequências longas de pressões à barra, todos os sujeitos apresentaram maior variabilidade em ALT do que em LAG
Variabilidade comportamental vem sendo estudada, pelo menos desde 1951, como produto de extinção ou de intermitência de reforçamento, sendo um subproduto desses procedimentos. Em 1985, Page e Neuringer, propuseram que a variabilidade é um operante, ou seja, o comportamento variável seria sensível às conseqüências e poderia ser colocado sob controle de estimulas. Em 1997, Machado, retoma a discussão de que a variabilidade é um subproduto, argumentando que o método utilizado por Page & Neuringer estaria reforçando o comportamento de alternação entre barras e não a variação de sequências de respostas. Porém, essa hipótese não pode ser completamente investigada, pois, segundo Machado (1997), para comparar a variabilidade produzida por esquemas de variabilidade exigida ELAS N) e esquemas de alternação entre barras exigida (ALT), deveriam ser utilizadas sequências longas de respostas. O presente estudo utilizou ratos enquanto sujeitos experimentais e tem como objetivo comparar a variabilidade produzida em ambos esquemas (LAG e ALT) em seqüências curtas e longas de respostas. Para controlar a intermitência de reforço, foram utilizados dois sujeitos acoplados. O procedimento permite um aumento progressivo do tamanho da sequência (iniciando com sequência de quatro respostas e terminando com sequências de doze respostas de respostas) determinado pelo desempenho do próprio sujeito. O presente trabalho considerou como variabilidade a equiprobabilidade na apresentação das diferentes possibilidades de sequências de pressão à barra e utilizou o índice de imprevisibilidade ^UU" para medir variabilidade. Os resultados mostram que um dos sujeitos acoplados apresentou altos índices de variabilidade. Para sequências curtas de pressões à barra os sujeitos, apresentaram maior variabilidade na fase inicial. Os sujeitos que iniciaram o procedimento em ALT tiveram maior variabilidade em ALT. Os sujeitos que iniciaram o procedimento em LAG, tiveram maior variabilidade em LAG. Com sequências longas de pressões à barra, todos os sujeitos apresentaram maior variabilidade em ALT do que em LAG
Abstract: Behavioral Variability comes being studied, at least since 1951, as extinction product or of reinforcement schedule, being a by-product of those procedures. In 1985, Page & Neuringer, they proposed that the variability is an operant, that is to say, the variable behavior would be sensitive to the consequences and it could be placed under control of stimulus . In 1997, Machado, retakes the discussion that the variability is a by-product, arguing that the method used by Page & Neuringer would be reinforcing the switches behavior among bars and not the variation of sequences of bar-press. Even so, that hypothesis cannot be completely investigated, therefore, Machado (1997), to compare the variability produced by~ outlines of demanded variability (LAG N) and switches outlines among demanded bars (ALT), they should be used long sequences of response. The present study used mice while experimental subjects and has as objective to compare the variability produced in both outlines (LAG and ALT) in short and long sequences of responses. To control de variability by schedule fo reinforcement, two yoked were used. The procedure allows a progressive increase of the size of the sequence (beginning with sequence of four responses and finishing with sequences of twelve responses) determined by the own subject's acting. The present work considered variability the equiprobabilidade in the presentation of the different possibilities of pressure sequences to the bar and it used the index "U" for it measured variability. Os resultados mostram que um dos sujeitos acoplados apresentou altos índices de variabilidade The results show that one of the yoked show high variability. For short sequences of pressures to the bar the subjects presented larger variability in the initial phase. The subjects that began the procedure in ALT had larger variability in ALT. The subjects that began the procedure in LAG, had larger variability in LAG. Therefore, the results are not conclusive. With long sequences of pressures to the bar, all the subjects presented larger variability in ALT than in LAG
Behavioral Variability comes being studied, at least since 1951, as extinction product or of reinforcement schedule, being a by-product of those procedures. In 1985, Page & Neuringer, they proposed that the variability is an operant, that is to say, the variable behavior would be sensitive to the consequences and it could be placed under control of stimulus . In 1997, Machado, retakes the discussion that the variability is a by-product, arguing that the method used by Page & Neuringer would be reinforcing the switches behavior among bars and not the variation of sequences of bar-press. Even so, that hypothesis cannot be completely investigated, therefore, Machado (1997), to compare the variability produced by~ outlines of demanded variability (LAG N) and switches outlines among demanded bars (ALT), they should be used long sequences of response. The present study used mice while experimental subjects and has as objective to compare the variability produced in both outlines (LAG and ALT) in short and long sequences of responses. To control de variability by schedule fo reinforcement, two yoked were used. The procedure allows a progressive increase of the size of the sequence (beginning with sequence of four responses and finishing with sequences of twelve responses) determined by the own subject's acting. The present work considered variability the equiprobabilidade in the presentation of the different possibilities of pressure sequences to the bar and it used the index "U" for it measured variability. Os resultados mostram que um dos sujeitos acoplados apresentou altos índices de variabilidade The results show that one of the yoked show high variability. For short sequences of pressures to the bar the subjects presented larger variability in the initial phase. The subjects that began the procedure in ALT had larger variability in ALT. The subjects that began the procedure in LAG, had larger variability in LAG. Therefore, the results are not conclusive. With long sequences of pressures to the bar, all the subjects presented larger variability in ALT than in LAG
Palavras-chave: Variabilidade comportamental
Reforçamento
Comportamento humano
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA EXPERIMENTAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento
Citação: Medeiros, Marcos Alexandre de. A variabilidade de sequência de pressões à barra em diferentes condições de reforçamento. 2002. 62 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2002.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16668
Data de defesa: 30-Sep-2002
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Marcos Alexandre de Medeiros.pdf638,13 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.