???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16173
Tipo do documento: Tese
Título: O professor do primeiro ano do Ensino Fundamental e suas representações sociais sobre o movimento corporal
Autor: Sá, Ivo Ribeiro de 
Primeiro orientador: Sousa, Clarilza Prado de
Resumo: O presente estudo teve como objetivo a análise das representações sociais de professores do primeiro ano do ensino fundamental sobre o movimento corporal. Ao considerar o cenário das mudanças políticas que ampliam o ensino fundamental para nove anos e a identificação destas representações sociais, é possível indicar se os conteúdos relativos ao corpo e movimento farão parte ou não, do currículo escolar para as crianças de seis anos de idade, uma vez que a estimulação motora é crucial para o desenvolvimento infantil e reflete na aquisição de habilidades motoras na fase adulta. Neste sentido, se fez necessário identificar as influências dos documentos oficiais na constituição das representações sociais do professor sobre o corpo e movimento. Para tanto, foi escolhido como campo da pesquisa o município de São Bernardo do Campo, envolvendo 8 unidades escolares e 31 professores do primeiro ano do ensino fundamental. Metodologicamente, optou-se pela realização deste estudo qualitativo em cinco fases. Na primeira foram analisados os documentos oficiais a partir de três temas: criança, movimento e corpo. Na segunda constitui-se uma matriz para orientar a construção e a aplicação do roteiro de entrevista. Na terceira preparou-se o material para processamento dos dados pelo software ALCESTE. Na quarta foram criadas e discutidas as categorias de análise geradas a partir da relação entre as classes definidas pelo ALCESTE. Na quinta foram analisados os resultados (MOSCOVICI, 1978, 2011) encontrados na primeira e na quarta fase estabelecendo relações entre elas. Os resultados revelaram que a atitude dos professores com relação ao movimento corporal é de promover momentos recreativos e deixar a criança livre para brincar, ou seja, há o reconhecimento das finalidades lúdicas, mas sem o estabelecimento de objetivos específicos. Eles justificam esta postura devido a falta de preparo para trabalhar com os conteúdos relacionados ao corpo e movimento da criança e atribuem esta função ao professor especialista e a falta de infraestrutura escolar. Com isto enfatizam a alfabetização no primeiro ano do ensino fundamental e minimizam o tempo para desenvolver os conhecimentos sobre o corpo e o movimento. Com a ampliação do ensino fundamental para nove anos suas práticas pedagógicas sofreram poucas alterações, a única mudança apontada foi o aumento do tempo para que as crianças possam brincar. Mas, apesar do reconhecimento de que a ludicidade no processo de ensino é um direito da criança, eles se mostram resistentes a aplicação de tais práticas educativas, devido as exigências da escola em relação a alfabetização. Acreditam que o movimento corporal pode servir como instrumento para o aprendizado da leitura, da escrita, da matemática etc., exercendo uma função auxiliar no processo educacional. Isto cria uma polarização entre os momentos de brincadeira e os que são destinados ao ensino da escrita e da leitura. Assim, a partir da observação das representações sociais é possível dizer que ainda permanece entre os professores uma visão fragmentária de formação humana, levando a conclusão de que a ideia de formação integral presente nos documentos oficiais está longe de ser alcançada
Abstract: The present paper aimed to present the analysis of social representations of Elementary School first grade teachers on body movement. When considering the scenario of political changes that expands the Elementary School to nine years and the identification of these social representations, it is possible to indicate whether the contents for the body and movement will be part or not of the school curriculum for six-year-old children, since the motor stimulation is crucial for child development and reflects the acquisition of motor skills in adulthood. In this sense, it was necessary to identify the influences of official documents in the constitution of social representations of the teacher on the body and movement. Therefore, it was chosen as the research field the city of Sao Bernardo do Campo, involving 8 school units and 31 Elementary School first grade teachers. Methodologically, it was decided to carry out this qualitative study in five phases. In the first one, official documents were analyzed from three subjects: child, movement and body. In the second one, a matrix was established to guide the construction and application of the interview script. In the third one, the material was prepared for data processing by the software ALCESTE. In the fourth one, categories of analysis generated from the relationship among the classes defined by ALCESTE were created. In the fifth one, the results found in the first and fourth phase were analyzed (MOSCOVICI, 1978, 2011) establishing relationships among them. The results revealed that the attitude of teachers regarding the body movement is to promote recreational moments and let the child free to play, that is, there is the recognition of recreational purposes, but without setting specific goals. They justify this position due to lack of preparation to work with the content related to the child's body and movement and assign this function to the specialist teacher and the lack of school infrastructure. Thus, they emphasize literacy in the first grade of Elementary School and minimize the time to develop the knowledge about body and movement. With the expansion of Elementary School to nine years, its pedagogical practices have suffered few changes. The only change mentioned was the increased time for children to play. However, despite the recognition that playfulness in the teaching process is a right of the child, they have proven resistant to apply such educational practices due to requirements of the school for literacy. They believe that the body movement can serve as a tool for learning reading, writing, mathematics etc., exerting an auxiliary role in the educational process. This creates a polarization between the moments of play and the ones intended for writing and reading instruction. Thus, from the observation of social representations, it is possible to say that a fragmentary view of human formation still remains among the teachers, leading to the conclusion that the idea of integral formation in the official documents is far from being achieved
Palavras-chave: Corpo e movimento
Ensino Fundamental
Representações sociais
Educação Física
Crianças
Body and movement
Elementary school
Social representations
Physical education
Children
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::EDUCACAO::FUNDAMENTOS DA EDUCACAO::PSICOLOGIA EDUCACIONAL
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação
Citação: Sá, Ivo Ribeiro de. O professor do primeiro ano do Ensino Fundamental e suas representações sociais sobre o movimento corporal. 2015. 286 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/16173
Data de defesa: 20-Mar-2015
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ivo Ribeiro de Sa.pdf3,22 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.