???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15861
Tipo do documento: Tese
Título: O paradoxo da desesperança: afirmação da vida através dos negativos
Título(s) alternativo(s): The paradox of the despair: statement of the life through the negatives
Autor: Graça, Fatima Regina Florido Cesar de Alencastro 
Primeiro orientador: Figueiredo, Luís Claudio Mendonça
Resumo: Esta tese é um estudo relacionado à clínica de casos intensamente refratários à diminuição de seu sofrimento modalidades clínicas que se organizam em torno de nãos rigidamente dirigidos à cura, ao analista e à vida. Para a compreensão de tais pacientes estudei dois conceitos freudianos: A Reação Terapêutica Negativa e a Verleugnung, a partir da leitura de autores que destaco: Joan Riviere, Betty Joseph, Pontalis, Octave Mannoni, Bernard Penot e Luís Cláudio Figueiredo. Resistências tão poderosas são vistas, nesta pesquisa, não como obstáculo á mudança; mas como manifestação de tenazes vínculos de amor e ódio a objetos primários, com os quais se estabelece uma relação mais que de simbiose; mas, na concepção de Pontalis, uma espécie de incesto, daquele que se dá entre aparelhos psíquicos. O ódio aparece nesses casos, não como descarga pulsional, mas como um Não que oculta um sim que não pode ser enunciado. Para esta particular compreensão do ódio contei com leituras de autores como Bollas e André Green, incluindo aqui o Trabalho do Negativo deste último autor. Vinhetas clínicas e casos clínicos também serão apresentados no decorrer da tese. Uma discussão que julgo inicial a respeito, do manejo, da aproximação clínica destes pacientes será apresentada a partir da própria dificuldade de acesso à comunicação direta com que nos deparamos. Em outras palavras, considerando as forças titãs guardiãs daquele que sofre que são: a Reação Terapêutica Negativa, a Verleugnung e o Ódio. O Binômio esperança-desesperança comparece ao final a partir fundamentalmente de uma ótica winnicottiana, utilizando também leituras de Luís Cláudio Figueiredo e Mitchell. Estes pacientes sofrem de desesperança congênita (Winnicott); mas quando nos procuram; não trarão um resto de esperança por um fio? Eis aqui o que denomino de paradoxo da desesperança. E a nossa esperança desesperança: que loucura é esta de querer mudar os outros ? (Pontalis). Uma reflexão a respeito de nossa posição ético-clínica diante destes pacientes intratáveis (como os denomina Pontalis) finaliza o trabalho
Abstract: This thesis is a study related to the clinic of cases intensely resistant to its suffering decrease - clinical modalities that are organized around Nos rigidly addressed to the cure, to the analyst and the life. For the understanding of such patient two Freudian concepts were studied: The Negative Therapeutic Reaction and the Verleugnung, starting from the authors' reading that I highlight: Joan Riviere, Betty Joseph, Pontalis, Octave Mannoni, Bernard Penot and Luís Cláudio Figueiredo. Such powerful resistances are seen, in this research, not like an obstacle to the change; but as manifestation of tenacious love and hate bonds to primary objects, with which a relationship more than of symbiosis is established; in the Pontalis conception, an incest type like that occurs among psychic apparels. The hate appears in those cases, not like pulsional discharge, but as a No that hides a Yes that cannot be enunciated. For this particular understanding of the hate I counted with authors' readings as Bollas and André Green, including here the "Work of the Negative" of this last author. Clinical vignettes and clinical cases will also be presented in the course of the thesis. A discussion about of the handling and the clinical approach of these patient, will be presented - starting from the own access difficulty to the direct communication with that we are confronted. In other words, considering the forces titans-guardians of the person that suffer - that are: the Negative Therapeutic Reaction, the Verleugnung and the Hate. The Binomial Hope-Despair attends in the end fundamentally from an winnicottian optics, also using readings of Luís Cláudio Figueiredo and Mitchell. These patients suffer of "Congenital Despair" (Winnicott); but when they seek us; won't they bring a rest of hope - by a thread? That s The Despair Paradox . And our question: what "madness is this of wanting to change the others"? (Pontalis). A reflection regarding our position ethical-clinic in face of these "untreatable" (Pontalis) patients conclude the work
Palavras-chave: desesperança congênita
reação terapêutica negativa
recusa
trabalho do negativo
ódio
hope
congenital hopelessness
negative therapeutic reaction
Refusal
work of the negative
hate
Esperança
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIA::PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Psicologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica
Citação: Graça, Fatima Regina Florido Cesar de Alencastro. O paradoxo da desesperança: afirmação da vida através dos negativos. 2005. 242 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15861
Data de defesa: 1-Jul-2005
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
doutorado fatima.pdf1,44 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.