???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15049
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorMirim, Liz Andréa Lima-
dc.creator.Latteshttp://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4774420A8por
dc.contributor.advisor1Mezan, Renato-
dc.date.accessioned2016-04-28T20:37:46Z-
dc.date.available2011-10-18-
dc.date.issued2011-10-14-
dc.identifier.citationMirim, Liz Andréa Lima. Vozes do silêncio: variações da clínica. 2011. 138 f. Tese (Doutorado em Psicologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.por
dc.identifier.urihttps://tede2.pucsp.br/handle/handle/15049-
dc.description.resumoFoi a partir de um atendimento em silêncio que este trabalho iniciou. Como atender uma paciente que não conta sua história? Após algum tempo começa a escrever cartas que me são entregues e é com a ajuda delas que o atendimento vai acontecendo. Este silêncio é uma resistência ou ele fala, me conta de sua vida? Em outro lugar, devo coordenar uma oficina com mulheres que se recusam a formar o grupo, o que essa recusa me conta? São os percalços que desse desencontro que me servem de material para eu trabalhar. Refletir sobre a função dessa experiência resistência, comunicação, gesto, compartilhamento é objetivo desse trabalho, assim como os procedimentos que foram adotados para que fosse possível a análise dessa paciente e a participação das mulheres na oficina. São as vozes desses silêncios que procuro entender. O silêncio é de ouro, lembra S. Ferenczi ao nomear um artigo dessa forma. Por que será que esse autor compara o silêncio com esse material tão nobre, cobiçado pelos homens? A partir das conceituações de Consultas Terapêuticas e Psicanálise segundo a demanda (de Winnicott) e de clínica extensa ( de Fábio Herrmann) que me coloco a disposição para trabalhar nesses dois casos. Portanto, nesse trabalho anseio olhar essas duas experiências e apreender o que nelas têm de terapêutico, como podemos acolher os sofrimentos que se apresentavam e dar algum sentido, fazendo que os atendimentos fluíssem. Usando o conceito de brincar forjado por Winnicott temos dois exemplos de como o analista se põe nesse jogo, cada uma fazendo um rabisco, e oferecendo ao outro para ser completadopor
dc.description.abstractIt was from a silent session that this work started. How to treat a patient who doesn t tell her story? After some time, she begins to write me letters, and it is with their help that the analysis comes into course. Is this silence a form of resistance, or does it speak, or tell me of my patient s life? In a different instance, I m to manage a workshop with women who refuse to make up a group. What does that refusal tell me? The troubles of this mismatch are to serve as the basic blocks for me to work on. Reflect on these experiences resistance, communication, gestures, sharing is the object of this work, along with the procedures adopted to make it possible to analyze that patient and to have those women participating in the workshop. What I try to understand are the voices of these silences. Silence is golden, reminds S. Ferenczi in the title of an article. I wonder why the author compares silence to so a noble and covetable material! From the concepts of Winnicott of therapeutic consults and psychoanalysis on demand, and of Fábio Herrmann of extensive clinics, I got willing to work on these two cases. So, what I long for in this work is to look at these two experiences and try to grasp what there is in them as therapeutic, how to harbor all the suffering they represented and to extract some sense from them, making the therapy moving on. Using the playing concept forged by Winnicott, we have here two examples of how the analyst may place him/herself in this game, each one drawing a scribble and offering it to the other to be completedeng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2016-04-28T20:37:46Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Liz Andrea Lima Mirim.pdf: 1486477 bytes, checksum: 92145f2fd8c1fd956e98dd8f3bf3b7c6 (MD5) Previous issue date: 2011-10-14eng
dc.description.sponsorshipConselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico-
dc.formatapplication/pdfpor
dc.thumbnail.urlhttp://tede2.pucsp.br/tede/retrieve/31460/Liz%20Andrea%20Lima%20Mirim.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de São Paulopor
dc.publisher.departmentPsicologiapor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.initialsPUC-SPpor
dc.publisher.programPrograma de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínicapor
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.subjectSilênciopor
dc.subjectVariações clínicapor
dc.subjectResistênciapor
dc.subjectComunicaçãopor
dc.subjectContratransferênciapor
dc.subjectSilenceeng
dc.subjectClinical variationseng
dc.subjectResistanceeng
dc.subjectCommunicationeng
dc.subjectCountertransferenceeng
dc.subject.cnpqCNPQ::CIENCIAS HUMANAS::PSICOLOGIApor
dc.titleVozes do silêncio: variações da clínicapor
dc.typeTesepor
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Liz Andrea Lima Mirim.pdf1,45 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.