???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/14764
Tipo do documento: Dissertação
Título: O gesto autoral e o testemunho em Memórias do cárcere
Título(s) alternativo(s): The authorial gesture and the testemony in Memórias do cárcere
Autor: Silva, Valéria Gomes Ignácio da 
Primeiro orientador: Oliveira, Maria Rosa Duarte de
Resumo: Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, publicada em 1953, mais de 15 anos após a reclusão do autor em diferentes endereços prisionais do Estado Novo, oferece ao pesquisador uma ampla fortuna crítica, que, no entanto, não é capaz de esgotar outras perspectivas interpretativas de uma obra que ainda não terminou de dizer o que tinha para dizer , na oportuna observação de Calvino ao se referir à concepção de clássico. Esta dissertação tem por objetivo a investigação sobre a singularidade da narrativa de Memórias do cárcere a partir de seu caráter híbrido, entre o literário-memorialista e o testemunhal em suas acepções de testis, superstes e auctor. Nesse território em movimento, que não permite a afirmação de um gênero puro, pergunta-se qual é a voz que ocupa o lugar literário do sujeito e como a narrativa presentifica o passado por meio das lacunas da memória e de uma escrita esgarçada entre o desejo de testemunhar o acontecimento traumático e a impossibilidade de fazê-lo. A hipótese apresentada é a de que a narrativa é marcada por uma crise de representação, que só pode ser materializada numa escritura híbrida, em que, nos estatutos testemunhais de testis e supertes, intervém o auctor, o sujeito determinado a elaborar esteticamente a experiência por meio da linguagem. A relevância teórica da proposta está em refletir sobre as aporias da representação estética da violência, tendo como foco os deslocamentos do sujeito entre a subjetivação e a dessubjetivação, além de pressupostos éticos e do aporte de elementos ficcionais para criar um novo lugar narrativo. Tem-se, como principais referências teóricas, os conceitos de testemunho e teor testemunhal (Agamben; Seligmann-Silva; Nichanian), memória-esquecimento e restos (Benjamin; Seligmann-Silva), relato e narração (Blanchot), gesto autoral e função-autor (Agamben; Foucault). O esforço interpretativo para a análise dessa operação narrativa, que ultrapassa o modelo de ficção realista para inscrever o testemunho na língua, vale-se da seleção e do exame de fragmentos da obra em sua correlação com os conceitos destacados. A conclusão é que a prevalência do gesto autoral, inexpresso em vazios tornados performance no discurso, permite à obra alcançar outro espaço literário por meio do ato narrativo tornado acontecimento
Abstract: Memórias do cárcere, de Graciliano Ramos, publicada em 1953, mais de 15 anos após a reclusão do autor em diferentes endereços prisionais do Estado Novo, oferece ao pesquisador uma ampla fortuna crítica, que, no entanto, não é capaz de esgotar outras perspectivas interpretativas de uma obra que ainda não terminou de dizer o que tinha para dizer , na oportuna observação de Calvino ao se referir à concepção de clássico. Esta dissertação tem por objetivo a investigação sobre a singularidade da narrativa de Memórias do cárcere a partir de seu caráter híbrido, entre o literário-memorialista e o testemunhal em suas acepções de testis, superstes e auctor. Nesse território em movimento, que não permite a afirmação de um gênero puro, pergunta-se qual é a voz que ocupa o lugar literário do sujeito e como a narrativa presentifica o passado por meio das lacunas da memória e de uma escrita esgarçada entre o desejo de testemunhar o acontecimento traumático e a impossibilidade de fazê-lo. A hipótese apresentada é a de que a narrativa é marcada por uma crise de representação, que só pode ser materializada numa escritura híbrida, em que, nos estatutos testemunhais de testis e supertes, intervém o auctor, o sujeito determinado a elaborar esteticamente a experiência por meio da linguagem. A relevância teórica da proposta está em refletir sobre as aporias da representação estética da violência, tendo como foco os deslocamentos do sujeito entre a subjetivação e a dessubjetivação, além de pressupostos éticos e do aporte de elementos ficcionais para criar um novo lugar narrativo. Tem-se, como principais referências teóricas, os conceitos de testemunho e teor testemunhal (Agamben; Seligmann-Silva; Nichanian), memória-esquecimento e restos (Benjamin; Seligmann-Silva), relato e narração (Blanchot), gesto autoral e função-autor (Agamben; Foucault). O esforço interpretativo para a análise dessa operação narrativa, que ultrapassa o modelo de ficção realista para inscrever o testemunho na língua, vale-se da seleção e do exame de fragmentos da obra em sua correlação com os conceitos destacados. A conclusão é que a prevalência do gesto autoral, inexpresso em vazios tornados performance no discurso, permite à obra alcançar outro espaço literário por meio do ato narrativo tornado acontecimento
Palavras-chave: Memórias do cárcere
Memória
Testemunho
Gesto autoral
Dessubjetivação
Memórias do cárcere
Memória
Testemunho
Gesto autoral
Dessubjetivação
Área(s) do CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Literatura
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Citação: Silva, Valéria Gomes Ignácio da. The authorial gesture and the testemony in Memórias do cárcere. 2015. 92 f. Dissertação (Mestrado em Literatura) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/14764
Data de defesa: 27-Aug-2015
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Valeria Gomes Ignacio da Silva.pdf775,52 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.