???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/1239
Tipo do documento: Dissertação
Título: A formação de capital fixo (FBKF) nacional -1964-1993
Autor: Santoro, Aldo
Primeiro orientador: Dowbor, Ladislau
Resumo: A importância da Formação de Capital Fixo (FBKF), ou seja, dos investimentos fixos que são realizados no sistema econômico, é que eles representam a força básica do processo de desenvolvimento, pois propiciam o aumento da capacidade produtiva do país. São originados na poupança do sistema, a qual proporciona aos intermediários financeiros a realização de empréstimos e financiamentos a curto ou longo prazo. Até o ano de 1964 não havia financiamentos de longo prazo para investimentos fixos, que não fosse por intermédio das instituições financeiras oficiais, excetuando-se Ações e Debêntures, mesmo assim em pouca escala. Apenas o BNDES, constituído em 1952, tinha condições de financiar a longo prazo. Suas operações eram direcionadas mais para o setor público, em infra-estrutura, do que ao setor privado. Assim, contribuiu muito pouco para a FBKF do setor privado, nesse período. Depois de 1964, com a instituição da correção monetária e da Reforma Bancária (lei 4595) , a qual deu origem à segmentação do sistema financeiro, impulsionaram a poupança e os investimentos a médio e longo prazo, pelo menos até o final da década de 70, quando a taxa média de FBKF situou-se em 23,54%. Na década de 80 caiu para 17,74% e nos anos 90 para 14,41% (a preços constantes de 1980, segundo IBGE). o aumento da inflação e a permanente instabilidade na política econômica são considerados as principais causas da queda da Taxa de Investimentos (relação entre a FBKF/PIB ), que em 1993 registrou 14,49%. Embora as taxas de poupança, voluntárias ou compulsórias, tenham atingido níveis considerados satisfatórios, foram, porém, "esterilizadas" em prazos curtíssimos, impossibilitando, portanto, financiamentos de longo prazo para investimentos fixos. A ineficiência do setor público, incapaz de gerar poupança própria e absorvendo grande parte da poupança privada para cobertura de seus "déficits", além do fechamento da "janela" externa, contribuiu para a modesta taxa de FBKF da economia brasileira a partir de 1985, quando comparada com os padrões de crescimento de outras economias. Assim, a FBKF tem sido sustentada, basicamente, pela poupança privada nos últimos dez anos
Palavras-chave: Intermediarios financeiros
Bancos de investimento
Poupanca e investimento
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS::ADMINISTRACAO
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Administração
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração
Citação: Santoro, Aldo. A formação de capital fixo (FBKF) nacional -1964-1993. 1995. 128 f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1995.
Tipo de acesso: Acesso Restrito
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/1239
Data de defesa: 31-Jan-1995
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aldo Santoro.pdf4,4 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.