???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12201
Tipo do documento: Dissertação
Título: A expressividade oral em call center na perspectiva do fonoaudiólogo, do supervisor e do teleoperador
Autor: Almeida, Ana Carolina Barros de 
Primeiro orientador: Andrada e Silva, Marta Assumpção de
Resumo: Introdução: o teleoperador tem o telefone como único meio de contato com o outro, por isso possui apenas a comunicação verbal para representar a empresa em que trabalha e dessa forma garantir a satisfação do cliente. Dessa forma, faz-se necessário uma comunicação clara que ao mesmo tempo aproxime e sensibilize o cliente, assim como, transmita credibilidade e naturalidade. Aspectos estes que podem ser obtidos e aprimorados por meio do trabalho com expressividade oral. Dada a relevância do assunto atualmente o foco de interesse dessa pesquisa é investigar a expressividade oral na visão de diferentes profissionais que atuam em um mesmo segmento, o de telesserviços. Objetivo: caracterizar a expressividade oral na perspectiva do próprio fonoaudiólogo, do supervisor e do teleoperador. Método: foram realizadas entrevistas semi-dirigidas com três fonoaudiólogos (F1, F2, F3) sobre a prática realizada por eles mesmos com teleoperadores, assim como a sua visão e forma de trabalho com expressividade oral. Cada fonoaudiólogo indicou um supervisor e um teleoperador da mesma empresa em que trabalha para participar da presente pesquisa. A entrevista com os supervisores (S1, S2, S3) abrangeu as suas expectativas em relação ao treinamento fonoaudiológico com teleoperadores, a sua visão sobre o tema expressividade oral e o impacto desta na relação com o cliente. Os teleoperadores (T1, T2, T3) responderam à entrevista que investigou a prática fonoaudiológica para a realização do seu trabalho, a sua perspectiva sobre o tema expressividade oral e o impacto desta na relação com o cliente. Posteriormente, todo o material foi transcrito, submetido a várias leituras e realizada a análise temática segundo Minayo (2004), a partir da qual os pontos de sentidos foram denominados eixos temáticos de acordo com aspectos comuns do discurso que se destacaram no contexto. Resultados e discussão: para F1 e F2 a expressividade foi relacionada com a interação com o outro, com comunicação e os recursos expressivos apareceram como determinantes para uma fala mais expressiva, embora os aspectos relacionados a voz como instrumento ainda estejam presentes em seus discursos. F3 pouco mencionou a relação com o outro e demonstrou dissociar a linguagem, fala e voz. Os supervisores, especialmente S1 e S2, apresentaram dificuldade na definição do termo expressividade oral e fizeram uma forte associação entre expressividade e voz, de modo que o termo voz foi citado como único meio pelo qual a expressividade se efetua. Porém, S3 pouco utilizou o termo e fez menção à comunicação e relação com o outro. Quanto aos teleoperadores, para T1 e T2, os sentimentos e emoções tem uma forte ligação com a expressividade que é relacionada por T3 a características positivas na comunicação. Quanto à prática efetuada pelas fonoaudiólogas, percebeu-se que, embora o trabalho com o aprimoramento da comunicação faça parte do discurso de F1 e F2, os cuidados com a voz ainda permeiam o seu trabalho. A forma de trabalhar expressividade oral mostra que a atuação fonoaudiológica ainda tem fortes ligações com a clínica, na medida que a voz tem um destaque nas ações seja por meio de exercícios de aquecimento e desaquecimento vocal ou pelo trabalho com pitch, loudness,articulação ou pelas questões de saúde vocal, em detrimento a uma prática voltada para a comunicação verbal. Com relação ao impacto da expressividade sobre o cliente, supervisores e teleoperadores reconhecem que os diferentes recursos utilizados na fala conferem variados sentidos tanto para teleoperadores como para clientes. Considerações finais: observou-se que a expressividade oral foi um termo difícil de ser definido tanto para as fonoaudiólogas, quanto para supervisores e teleoperadores. O tema teve como elo comum a interação com o outro e a expressividade por meio da voz mais citadas por fonoaudiólogos e supervisores e os sentimentos e emoções, principalmente na perspectiva dos teleoperadores
Abstract: Introduction: The telephone operator has the telephone as the only means of contact with others, therefore has only verbal communication to represent the company he/she works for and thus guarantee customer satisfaction. Clarity, credibility and naturalness, aspects necessary when speaking on the telephone, can be obtained and improved by means of working with oral expressiveness. Given the relevance of the subject at present, the focus of interest of this research was to investigate oral expressiveness from the point of view of different professionals that work in the same sector that of teleservices. Objective: to characterize oral expressiveness from the perspective of the speech therapist, supervisor and telephone operator. Method: semi-directed interviews were held with three phonoaudiologists (F1, F2, F3) about the practice they conducted with telephone operators, as well as their views and manners of working with oral expressiveness. Each phonoaudiologist indicated a supervisor and a telephone operator from the same company in which he/she works to participate in the present research. The interview with the supervisors (S1, S2, S3) covered their expectations as regards phonoaudiological training with telephone operators, their views about the subject of oral expressiveness and the its impact with regard to the customer. The telephone operators (T1, T2, T3) replied to the interviewer that investigated the phonoaudiological practice for performing his/her work, his/her perspective about the subject of oral expressiveness and the its impact on his/her relationship with the customer. Afterwards, all the material was transcribed, submitted to various readings, and thematic analysis performed according to Minayo (2004), from which the points of feelings were denominated thematic axes according to common aspects of speech that were emphasized in the context. Results and Discussion: For F1 and F2, expressiveness was related to interaction with the other person and communication, and the expressive resources appeared as determinants for more expressive speech, the term voice continues to be present in their speeches. F3 hardly mentioned the relationship with the other person and was shown to dissociate language, speech and voice. The supervisors, especially S1 and S2 showed difficulty in defining oral expressiveness and associated it with the voice, so that this term was mentioned as the only means by which expressiveness was effected. However, S3 spoke little about voice, and mentioned communication and the relationship with the other person. With regard to the telephone operators, for T1 and T2, emotions have a strong link with expressiveness, which T3 related to positive characteristics in communication. As regards the practice the phonoaudiologists conducted, it was perceived that although the work of improving communication forms part of the speech of F1 and F2, care of the voice continues to permeate their work. The manner of working expressiveness shows that phonoaudiological action continues to be linked to the clinic, as the voice is has an outstanding part in the actions, whether by means of vocal warming up or cooling down, or working with pitch, loudness and articulation, or for questions of vocal health, in detriment to practice with the goal of verbal communication. With regard to the impact of expressiveness on the customer, supervisors and telephone operators recognized that the different resources used in speech confer various feelings both on telephone operators and customers. Final considerations: It was observed that phonoaudiologist, supervisors and telephone operators found oral expressiveness a difficult term to define. The subject had interaction with the other person as a common link, with expressiveness by means of the voice being most mentioned by phonoaudiologists and supervisors, and feelings and emotions, mentioned particularly from the perspective of telephone operators
Palavras-chave: Comunicação
Entrevista
Voice
Communication
Interview
Comunicacao oral
Treinamento da voz
Voz
Área(s) do CNPq: CNPQ::CIENCIAS DA SAUDE::FONOAUDIOLOGIA
Idioma: por
País: BR
Instituição: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da instituição: PUC-SP
Departamento: Fonoaudiologia
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia
Citação: Almeida, Ana Carolina Barros de. A expressividade oral em call center na perspectiva do fonoaudiólogo, do supervisor e do teleoperador. 2008. 146 f. Dissertação (Mestrado em Fonoaudiologia) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/12201
Data de defesa: 29-Jul-2008
Appears in Collections:Programa de Estudos Pós-Graduados em Fonoaudiologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Ana Carolina Barros de Almeida.pdf573,52 kBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.